A MÚSICA REGIONAL NORDESTINA COMO RECURSO DIDÁTICO PARA A RESSIGNIFICAÇÃO DOS CONCEITOS GEOGRÁFICOS ESCOLARES

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 20 (4796 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de agosto de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
A MÚSICA REGIONAL NORDESTINA COMO RECURSO DIDÁTICO PARA A RESSIGNIFICAÇÃO DOS CONCEITOS GEOGRÁFICOS ESCOLARES

EIXO: PRÁTICAS DE ENSINO

MODALIDADE: COMUNICAÇÃO ORAL, com publicação de artigo


























A MÚSICA REGIONAL NORDESTINA COMO RECURSO DIDÁTICO PARA A RESSIGNIFICAÇÃO DOS CONCEITOS GEOGRÁFICOS ESCOLARES1

Laís Thereza Levy Giovaneti –Universidade Estadual de Londrina
laislevy@hotmail.com

RESUMO: O seguinte trabalho surgiu da experiência de observação no estágio de docência do curso de Geografia da Universidade Estadual de Londrina realizado com o 6º ano do Ensino Fundamental do Colégio de Aplicação da Universidade, em conjunto com as discussões realizadas na disciplina de Ensino de Geografia e Estágio de Vivência Docente.Através do resgate bibliográfico sobre o uso da música no ensino de Geografia e das manifestações musicais populares como expressão de identidade regional, o presente artigo busca um melhor entendimento por parte dos alunos quanto às pré-concepções veiculadas na maioria dos meios de informação acerca da região nordeste e da população que nela vive. Pretende-se um rompimento com o senso comum realizadoatravés da análise das expressões culturais da região nordeste cristalizadas em sua música, realizada no âmbito da pesquisa fenomenológica da percepção, demostrando que a ciência deve considerar o homem como sujeito e objeto da pesquisa, usando da emoção e da razão na produção dos conhecimentos geográficos.
PALAVRAS CHAVE: música regional, cultura popular nordestina, região, representaçõessócias e recurso didático.

Uma aproximação entre Música e Geografia
O estudo da música na Geografia ganhou maior importância nos trabalhos humanísticos com a renovação que sofreu a Geografia Cultural nos anos 70 devido à “(...) modificação das atitudes dos geógrafos quanto a fenomenologia face às contribuições geográficas” (KOZEL; TORRES 2010, p. 123). Porém, as primeiras considerações quanto àsmanifestações musicais de diferentes sociedades podem ser atribuídas, segundo Panitz (2011), ao geógrafo clássico Friedrich Ratzel e seu discípulo Leo Frobenius. Ratzel teria influenciado decididamente a Escola Histórico Cultural alemã e austríaca, sendo Frobenius o principal pesquisador a levar adiante as teorias do geógrafo (Panitz, 2011, p.3). Frobenius elaborou uma regionalização dassociedades africanas a partir do estudo da distribuição espacial de instrumentos musicais criados pelas sociedades espalhadas no continente.
As análises geográficas relativas às diferentes expressões da música privilegiavam as culturas de elite, deixando em segundo plano o estudo das manifestações musicais populares por serem consideradas efêmeras, sem conteúdo importante que possibilitasse um estudoaprofundado, sendo também influenciadas pelas tendências de pesquisas geográficas as quais valorizavam apenas o sentido da visão em suas pesquisas.
Smith (1997 apud CORREIA, 2012, p.13) justifica essa busca pelo visível como sendo legado do Iluminismo ou como presságios do pós-modernismo que continuam presentes nos estudos geográficos de base humanística. Neste trabalho, procurou-se fazer umaabordagem com base fenomenológica dos conceitos geográficos presentes nos processos de socializações espaciais, enfatizando os processos de ordem objetiva e subjetivas na constituição do espaço geográfico. Neste sentido, a paisagem aqui é considerada não só pelos seus aspectos visuais e estéticos, mas também pelas dimensões subjetivas constituídas individualmente e refletidas socialmente, na medida emque diferentes sentidos expressam diversas maneiras de estruturação do espaço geográfico (VALENTINI, 2003, apud KONG, 2009, p.131).
A abordagem humanística-fenomenológica trouxe à tona a importância de se valorizar o estudo do homem através de suas próprias sensações, sentimentos e emoções, tendo em vista que “(...) o ser humano não é exclusivamente razão, ele sente, percebe, forma suas...
tracking img