A luta dos negros contra a escravidão

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3239 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de julho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
A LUTA DOS NEGROS CONTRA A ESCRAVIDÃO

INTRODUÇÃO

Este artigo pretende examinar como as ideias antiescravistas foram assimiladas no começo do século XIX para mostrar a especificidade que elas adquiriram na sociedade escravista brasileira.
A grande questão o que fazer com o negro após a ruptura da polaridade senhor escravo, presente em todas as dimensões da sociedade, em que no século XIXgrandes acontecimentos influenciaram na vida escravista, ou seja, o movimento emancipacionista em um determinado início das pressões internacionais contra o secular tráfico de negros da África para as colônias de ale-mar, os primeiros negros chamados quilombos desembarcaram aqui no Brasil para uma tentativa de uma vida melhor.
As três primeiras décadas do século XIX só confirmaram sombriasexpectativas com o desenrolar das insurreições baianas, detalhadamente organizadas pelos haussás e nagôs. A heterogenia sócia – racial dividido entre uma minoria branca, pobre e não proprietária registrou um todo imaginário em que sobressaiu a percepção de um país marcado por uma ordem política e social, de vingança generalizada contra os brancos.
As soluções encontradas para ultrapassar a heterogeniaforam diversas, embora tivessem como a ânsia de insistir uma nacionalidade. Os emancipacionistas voltaram para próprios habitantes pobres do país, fossem eles escravos ou livres, e procuraram arrancá-los de suas vistas como adjetas, inúteis e isoladas, para integrá-los no seu projeto de uma sociedade unida, harmoniosa e progressiva. Somente com o movimento abolicionista é que o negro é integrado àspreocupações nacionais, até porque o sistema escravocrata não permitia a entrada do progresso, sendo uma barreira ao avanço econômico, político e cultural do país. É então sob a ótica racista amparada pela “ciência” que vão sendo tecidas as culturas brasileiras. A miscigenação aparece como única saída para resolver o grande “dilema”. A ordem, portanto, era injetar o “sangue branco” e cada vez maisbranquear a população, os abolicionistas pertencentes à elite urbana começam a pensar no “branqueamento” do Brasil, pois acreditavam na supremacia do “sangue branco”.

1. PROJETOS EMANCIPACIONISTAS
1.1 O inimigo interno domesticado
Antes mesmos que a independência fosse proclamada em 1822, já existia preocupação com o ordenamento dos habitantes em termos nacionais, onde no Brasil teriaque formar uma população homogênea e integrada num todo social. Antônio Velozo de Oliveira denunciava essa existência vegetativa e isolada de um povo anti-social, que por não conhecer “prazeres”, nutria um verdadeiro horror ao trabalho.
A partir da idéia de que a sociedade só pode ser habitada por um povo social, isto é, uma comunidade de produtores livres e insaciáveis, sempre perseguindonovas necessidades, e, portanto, constantemente devotados ao trabalho.
A sociedade positiva seria assim alcançada mediante a construção da positividade do trabalho. Porém, anterior a essa idéia há um importante pressuposto a sociedade positiva deve ser constituída pelo Estado, ou “a mão hábil” do governo, Velozo (p. 28).

Em contraposição a esta imagem de uma sociedade verdadeira, Velozo deOliveira vê o momento de realidade de uma sociedade negativa: de um lado uma massa de nacionais livres e pobres que viviam alijados, da propriedade da terra e por isso não podia passar de parceiros ou rendeiros.
João Severino Maciel da Costa, marquês de Queluz, também se preocupou com a inexistência de um povo brasileiro, onde publicou Memória sobre a Necessidade de Abolir a Introdução dos EscravosAfricanos no Brasil: sobre o Medo e Condições com que esta Abolição se Deve Fazer: e sobre os Meios de Remediar a Falta de Braços que ela Pode Ocasionar ( Coimbra, Imprensa da Universidade, 1821).
Também para o eminente político paulista José Bonifácio de Andrade e Silva (o “Patriarca da Independência”), colocou como uma necessidade essencial o término do tráfico africano para o futuro do país...
tracking img