A ilha

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (404 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de setembro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA

DISCIPLINA DE ÉTICA E DEONTOLOGIA – PROFESSOR WAGNER SOUZA
DISCENTE: BRUNO HENRIQUE SILVADE SOUZA


A Ilha e seus conflitos éticos
O claro avanço da ciência há muito nos faz questionar sobre até onde o uso dessas tecnologias não ultrapassa os limites da ética e da moral. A clonagemhumana e suas aplicações são algumas entre as várias questões que alimentam essa discussão.
No filme de ficção “A Ilha”, é evidenciado o uso da clonagem de humanos como forma de seguro, onde clientestêm a oportunidade de serem clonados para, futuramente, dispor dos órgãos e tecidos, de seus respectivos clones, completamente compatíveis quando necessário.
Aparentemente isso é algo maravilhoso,um avanço extraordinário e uma revolução na medicina. Mas temos que ir bem além dos pontos positivos para perceber grandes conflitos éticos e morais, e questionarmos algumas coisas como: Os clones sãorealmente humanos? Vale a pena usar um clone para salvar a vida do seu “original”? E deixar de fazê-lo?
Na minha opinião, o uso da clonagem, da maneira que é mostrada no filme, ultrapassatotalmente os limites da ética. Pelo simples fato de admitir que os seres clonados sejam seres como qualquer um de nós, apenas concebidos de uma maneira diferente da natural, assim como se faz nasinseminações artificiais, mas que pensam, sentem dor, riem, choram e criam sentimentos próprios. Não podendo, assim, serem tratados como peças de reposição.
Outra questão que considero antiética é adotar osganhos e lucros como objetivos principais do uso da ciência como é mostrado no filme. A ciência deve, em primeiro lugar, ser usada para o bem de todos, como está claro na maioria dos juramentos feitosem todas as áreas.
Claro que se trata de uma obra de ficção – apesar de apresentar muitos pontos comuns com a realidade – mas o filme nos traz uma reflexão bastante importante no que diz...