A hora da estrela ( resenha)

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (681 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

Clarice Lispector nasceu na Ucrânia (ex-República da União Soviética )em 1925. Veio com a família para o Recife onde passou suaprimeira infância, mas o Rio de Janeiro foi sua verdadeira cidade de adoção. Formada em Direito, nunca exerceu a profissão, dedicou-se durante toda a sua existência a sua amada literatura.
O livroconta a história de uma nordestina do interior de Alagoas. Macabéia é o seu nome. Raquítica de nascimento, ficou órfã aos dois anos e foi criada por uma tia beata, único parente que conheceu.Poucasrecordações guardava da infância. Estudou até o terceiro ano primário. Aprendeu datilografia -“um bem adquirido com o patrocínio da tia.” Por algum motivo, foram morar no Rio de Janeiro onde esta lheconseguiu um emprego como datilógrafa.
Com a morte da tia passou a dividir um quarto com quatro moças balconistas das Lojas Americanas. Tinha a saúde precária. Sofria freqüentes acessos de tosse.Alimentava-se mal e para não dormir com fome mastigava papel picado e engulia. Não se percebia como pessoa. Existia apenas. Às vezes se dava ao luxo de comprar uma flor no final do mês.
Em um dia de chuva,conheceu Olímpico de Jesus, também nordestino e começou a namorá-lo. Não sabia o que conversar. Limitava-se a fazer-lhe perguntas sem nexo. Olímpico trocou-a por sua colega de trabalho. Macabéia nãoguardou ressentimento, conformou-se apenas. Aconselhada por Glória, um colega, procurou uma cartomante que lhe fez um prognóstico promissor: a partir daquele momento sua vida mudaria para melhor.Casaria com um moço loiro e ganharia muito dinheiro. Seria feliz. Crédula, embevecida pela idéia de um futuro brilhante, atravessou, descuidadamente, a rua e foi atropelada por um carro de luxo. Bateu aCabeça na calçada e morreu rodeada de transeuntes.
A autora se oculta em Rodrigo S. M. autor narrador, para produzir a história- “até o que escrevo, um outro escreveria. Um outro escritor sim, mas...
tracking img