A historia das coisas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (429 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de setembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Mesmo no final da década de 1960, Skinner (1969) já identificava a necessidade
das empresas reconhecerem a importância estratégica da área de operações como fonte de
competitividade. Em seu artigoclássico, Skinner (1969) propôs que deveria haver uma
estratégia de manufatura, que fosse alinhada com os objetivos estratégicos da empresa, e que
os gestores da área de operações deveriam terparticipação pró-ativa na formulação das
estratégias das organizações. Mas apenas com a queda de competitividade da indústria norteamericana da década de 1980 (Stalk, 1988), o tema ganhou impulso, e aestratégia de
manufatura entrou na sua fase de ciência normal (Kuhn, 1995), quando então vários
pesquisadores acadêmicos se dedicaram a montar o quebra-cabeça do novo paradigma.
Ao longo dos anos, aestratégia de manufatura começou a aumentar seu escopo, ao
ser percebido que apenas fabricar não era suficiente para agregar valor. Era preciso que mais atividades fossem desenvolvidas para tal. Deestratégia de manufatura, tornou-se hoje estratégia de operações. Na estratégia de operações são estudadas todas as atividades primárias da cadeia de valor, propostas originalmente por Porter (1985),com exceção de Marketing e Vendas, e são incluídas as atividades de Pesquisa e Desenvolvimento como
atividades primárias (de Toni e Forza, 1992). Até a área de serviços, que até então era
consideradoradicalmente diferente de manufatura, foi tornado objeto de estudo da estratégia de operações, se aproveitando de boa parte do conhecimento gerado pela área de manufatura (Roth e Velde, 1991).
Aestratégia de operações, entretanto, apesar das evidências empíricas disponíveis
e proposições acadêmicas da década de 1980, não possuía um modelo teórico que explicasse porque a área de operações podiaser fonte de vantagem competitiva (Hart, 1995). Somente a partir da década de 1990, com o desenvolvimento da Visão Baseada em Recursos (RBV), inspirada nos trabalhos seminais de Penrose (1959) e...
tracking img