A história da filosofia de immanuel kant presente no escrito intitulado: idéia de uma história universal de ponto de vista cosmopolita

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 16 (3895 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de março de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
A História da Filosofia de Immanuel Kant presente no escrito intitulado: Idéia de uma História Universal de Ponto de Vista Cosmopolita.

Francisco Clever Nunes dos Santos
Aluno de Filosofia da Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA
Matricula: 08200039/N51
Disciplina: História da Filosofia Moderna II
Professor: Jose Edmar Lima Filho

Resumo: O objetivo deste trabalho é apresenta eanalisar às principais ideias de Immanuel Kant presente no seu escrito de 1784 intitulado: Ideia de Uma História Universal de um Ponto de Vista Cosmopolita. Esta análise se dará a parte das nove proposições presente no texto em questão que discutem sobre a História da Filosofia de I. Kant, e discute temas como cosmopolitismo, antagonismo e em geral sobre a História da humanidade.

Palavras-chaves:Kant, história, cosmopolitismo, antagonismo, natureza, estado, progresso.

O propósito do presente trabalho é analisar as nove proposições presente no escrito de Immanuel Kant intitulado: Idéia de Uma História Universal de um Ponto de Vista Cosmopolita. Este texto é considerado como o texto inaugural da filosofia da história alemã. Immanuel Kant ou Emanuel Kant (Königsberg, 22 de abril de 1724Königsberg, 12 de fevereiro de 1804) foi um filósofo prussiano, geralmente considerado como o último grande filósofo dos princípios da era moderna, indiscutivelmente um dos pensadores mais influentes. O grande propósito de I. Kant em seu texto Idéia de Uma História Universal... é o de expor e explica o que significa essa idéia de uma história universal, para estou Kant em seu texto enfatiza um pontoespecífico que é o conceito de cosmopolitismo. Assim, no desenvolvimento deste trabalho serão analisadas todas as preposições presente no texto em questão.

Na primeira proposição do seu escrito Ideia de Uma História Universal de um Ponto de Vista Cosmopolita, Kant afirmara que todas as disposições naturais de uma criatura estão destinadas há um dia se desenvolver completamente e conforme umfim. O que Kant que dizer, é que a história segue um fim, e este fim se dá a parte da caminha da natureza para um fim determinado, se dará pelo o progresso do desenvolvimento histórico das comunidades, ou seja, todas às comunidades humanas têm um telos, segue uma finalidade para si, e este fim esta oculto na natureza. Com isso, os potencias das criaturas naturas estão necessariamente condenados achegar ao seu desenvolvimento completo, pois esta seque um fim necessário. Mesmo as espécies de animais não racionais são ordenadas pela as leis da natureza, pois, elas estão sempre em harmonia e organizadas. Kant diante disto, diz que mesmo os homens sendo os únicos animais racionais presentes na terra, eles têm a tendência a conflitos, com isso, a sociedade humana é a mais caótica, pois ela possuivontades que a faz a ser propicia a constantes conflitos. Mais mesmo assim, com isso, esses fatores são de suma importância para o desenvolvimento da humanidade e para o seu progresso.

Por fim, Kant conclui essa proposição afirma que se uma ordenação que não atinja o seu fim, então é contrárias á doutrina teleológica da natureza. Isso se dá segundo Kant, pois prescindirmos desse princípio, nãoterá uma natureza regulada por leis, e sim um jogo sem finalidade da natureza e uma indeterminação desconsoladora tomara o lugar do fio condutor da razão, assim, o homem diante da natureza deve esta sempre ligada ao fio condutor da razão, e esse fio condutor que é a razão é que possibilita o homem a seque o seu progresso histórico.

Já nesta segunda proposição Kant vai afirma que o homem sendo aúnica criadora racional sobre a terra, deve usa as suas disposições naturais voltada para a sua razão, e estas disposições naturais voltada para a sua razão, devem desenvolver-se completamente apenas na espécie, não individualmente, pois, a razão não se desenvolverá nuns indivíduos ou nos indivíduos, mais sim na espécie. Kant vai entender esta razão como sendo o caminho e a faculdade de...
tracking img