A guerra do contestado.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1443 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL – ABÍLIO PAULO
GRUPO: CAROLINE MARCIANO,ELICA PIZZOLO,LAÍS COLONETTI
DISCIPLINA: HISTÓRIA
PROFESSOR: JULIO CÉSAR DA ROSA



A GUERRA DO CONTESTADOCriciúma,19 de abril de 2012.
INTRODUÇÃO

Neste trabalho apresentaremos sobre a Guerra do Contestado, que foi o conflito armado que ocorreu na região Sul do Brasil, entre outubro de 1912 e agosto de 1916.  O conflito envolveu cerca de 20 mil camponeses  queenfrentaram  forças militares dos poderes federal e estadual. Seu nome ganhou origem pelo fato dos conflitos ocorrerem numa área de disputa territorial entre os estados do Paraná e Santa Catarina.  Apresentaremos  também os seguintes  iténs:  história , causas da revolta, os principais contribuintes, início dos conflitos e o fim da guerra.

A formação da região

A região denominada "Contestado" abrangiacerca de 40.000 Km2 entre os atuais estados de Santa Catarina e Paraná, disputada por ambos, uma vez que até o início deste século a fronteira não havia sido demarcada. As cidades desta região foram palco de um dos mais importantes movimentos sociais do país. A região do interior de Santa Catarina e Paraná desenvolveu-se muito lentamente a partir do século XVIII, como rota de tropeiros quepartiam do Rio Grande do Sul em direção à São Paulo.
No século XIX algumas poucas cidades haviam se desenvolvido, principalmente por grupos provenientes do Rio Grande, após a Guerra dos Farrapos, dando origem a uma sociedade baseada no latifúndio, no apadrinhamento e na violência.
Após a Proclamação da República, com a maior autonomia dos estados, desenvolveu-se o coronelismo, cada cidade possuía seuchefe local, grande proprietário, que utilizava-se de jagunços e agregados para manter e ampliar seus "currais eleitorais", influenciando a vida política estadual. Havia ainda as disputas entre os coronéis, envolvendo as disputas por terras ou pelo controle político no estado. Poucos moradores e fazendeiros tinham documentação das terras que ocupavam e exploravam. Esta situação começou a mudar noinício da República, com os “coronéis” legalizando grandes extensões em seu nome e, depois, com a chegada da estrada de ferro São Paulo-Rio Grande, cujos construtores ganharam 15 quilômetros de cada lado da ferrovia para explorar madeira e erva-mate. Muitos moradores foram progressivamente desalojados, à força, durante anos. Em 1910, o Sindicato Farqhuar, que construia a ferrovia, inaugurou asegunda maior madeireiro da América em Três Barras, para explorar suas concessões. Em seguida, passou também a vender terras - na maioria das vezes ocupadas por sertanejos brasileiros - para estrangeiros de diversas procedências. A Southern Brazil Lumber & Colonization Co. Inc., domina o sertão. Dispõe de um exército de 200 homens para pressionar quem fosse preciso. Começa a formar-se o cenárioda guerra.

A situação social

Enquanto os latifundiários e as empresas norte americanas passaram a controlar a economia local, formou-se uma camada composta por trabalhadores braçais, caracterizada pela extrema pobreza, agravada ainda mais com o final da construção da ferrovia em 1910, elevando o nível de desemprego e de marginalidade social. Essa camada prendia-se cada vez mais aomandonismo dos coronéis e da rígida estrutura fundiária, que não alimentava nenhuma perspectiva de alteração da situação vigente. Esses elementos, somados a ignorância, determinaram o desenvolvimento de grande religiosidade, misticismo e messianismo.

O Messianismo na Região

Os movimentos messiânicos são aqueles que se apegam a um líder religioso ou espiritual, um messias,...
tracking img