A filosofia da liberdade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 245 (61106 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de março de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Rudolf Steiner

A Filosofia da Liberdade

Fundamentos para uma filosofia moderna

Resultados com base na observação pensante,
segundo o método das ciências naturais

Tradução de
Marcelo da Veiga

Sumário

Prefácio à edicão nova de 1918...........................................
2

A ciência da liberdade

I. A ação consciente..................................................4
II. O impulso fundamental para a ciencia.........................
8
III. O pensar a serviço da compreensão do mundo................
11
IV. O mundo como percepção........................................
17
V. Cognição e realidade..............................................
25
VI. A individualidade humana........................................
32
VII. Existemlimites da cognição? ....................................
34

A realidade da liberdade

VIII. Os fatores da vida.................................................
41
IX. A idéia da liberdade...............................................
43
X. Filosofia da liberdade e monismo...............................
51
XI. Finalidade do mundo e da vida (Determinação do homem).54
XII. A fantasia moral (Darwinismo e Ética).........................
56
XIII. O valor da vida (Pessimismo e otimismo)......................
60
XIV. Individualidade e espécie.........................................
69

Questões finais

As conseqüências do monismo.........................................
71
Primeiroadendo..........................................................
74
Segundo adendo..........................................................
77

Posfácio do tradutor........................................................
79

Prefácio à edição nova de 1918

Tudo que pretendemos tratar neste livro está relacionado a duas perguntas fundamentais da existência humana. A primei­ra se refere à possibilidade de encontrar no homem um firme pon­to de apoiopara tudo que chega ao seu conhecimento através de vivências cotidianas e da ciência, mas que pode ser abalado por dúvidas e juízos críticos, levando-o, assim, à incerteza e à falta de segurança. A outra pergunta é a seguinte: o homem, como ser dotado de vontade, pode atribuir-se a liberdade, ou será que esta é apenas uma ilusão que nele surge, porque ele não considera os condicionamentos emecanismos dos quais dependem a sua von­tade como um acontecimento natural qualquer? Essa pergunta, apesar de teórica, não é o resultado de meros raciocínios artifi­ciais, pois surge inevitavelmente na mente em determinado pon­to de sua evolução. E podemos sentir que o homem deixaria de ser o que pode ser, caso nunca se defrontasse, com a maior sere­nidade, com estas duas possibilidades: liberdade oudeterminismo da vontade.
Neste texto, pretendemos mostrar que a resposta para a se­gunda pergunta depende do ponto de vista que conseguimos ado­tar frente à primeira. Tentaremos mostrar que existe, sim, uma concepção, um método de observação do ser humano, capaz de lhe dar segurança e firmeza em relação aos seus conhecimentos; além disso, defenderemos também que, através desse método deobser­vação, será possível sustentar a idéia da liberdade da vontade, porque ele leva à descoberta do âmbito mental no qual o livre querer efetivamente desponta.
O método que usaremos para tratar das duas perguntas mencionadas é tão peculiar que, uma vez conquistado, pode se tornar uma competência real da vida interna. Não nos contenta­remos, pois, em fornecer apenas uma resposta teórica e abstrata que, depoisde ouvida, pode ser guardada na memória. Para o método expresso neste livro, uma tal resposta seria apenas uma ilusão. Com efeito, não nos interessa dar uma resposta definitiva e hermética, queremos antes de mais nada indicar um campo de atuação da mente humana no qual a pergunta se coloca e se resolve sempre de novo por sua atividade própria. Quem conseguir encontrar esse campo interno, no...
tracking img