A descoberta da infancia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2466 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de março de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Luíza Petry, Gabriela Resmini, Marina Franco e Maíra Meimes
 
 
A descoberta da infância

Hoje, dedicamos às crianças algumas características peculiares que as distinguem fundamentalmente de um adulto. Essa idéia de infância foi uma transformação social e histórica, e, segundo Philippe Ariès, surgiu apenas por volta do século XIII.
Às idades da vida também não era dado um significadoespecial. Durante a Idade Média, as pessoas não sabiam sua data de nascimento e as fases que atualmente separam nossa vida em infância, adolescência, puerilidade, etc. eram termos eruditos de tratados pseudocientíficos. A idade não fazia parte da identidade medieval.
“A vida era a continuidade inevitável, cíclica, uma continuidade inscrita na ordem geral e abstrata das coisas, mais do que naexperiência real, pois poucos homens tinham o privilégio de percorrer todas as idades da vida naquelas épocas de grande mortalidade.” (Philippe Ariès, História Social da Criança e da Família, pág. 39)
É provável que a importância pessoal da noção de idade tenha se afirmado à medida que os reformadores religiosos e civis a impuseram nos documentos, começando pelas camadas mais instruídas da sociedade, porvolta do século XVI. A partir de então, móveis, retratos, diários de família apresentavam datas importantes, inscrevendo a família em uma história a partir de sua cronologia.
Neste contexto, a infância não era uma categoria socialmente reconhecida. Mas os textos da Idade Média sobre o assunto são abundantes. Em um deles, Le grand propriétaire de toutes choses, a infância é colocada como aprimeira idade, que começa quando a pessoa nasce e dura até os sete anos, e nessa idade aquilo que nasce é chamado de enfant, que quer dizer “aquele que não fala”, pois nessa idade a pessoa não pode falar bem nem formar perfeitamente suas palavras porque os dentes não são bem ordenados e firmes. As idades da vida se popularizaram na iconografia. Sobretudo no séc. XIV até o século XVIII. Elas nãocorrespondiam apenas a etapas biológicas, mas funções sociais. Idade dos brinquedos, idade da escola, idade do amor, etc. E da especulação medieval restaram as terminologias.
            Até o século XVIII, a adolescência foi confundida com a infância. As duas palavras eram ambíguas. Durante o século XVII, houve uma evolução, surgiu um novo hábito entre a burguesia: a idéia de infância estava ligada àidéia de dependência. Palavras relativas à infância eram usadas para designar, na língua falada, os homens de baixa condição, cuja submissão aos outros continuava a ser total.  No início do século XVIII, as famílias nobres tendiam a usar o vocabulário da infância quase sempre para designar a primeira idade.
Philipe Ariès conclui: “Tem-se a impressão, portanto, de que, a cada época  corresponderiamuma idade privilegiada e uma periodização particular da vida humana: a ‘juventude’ é idade privilegiada do século XVII, a ‘infância’, do século XIX, e a ‘adolescência’, do século XX.” (pág.48) Para ele, essas “escolhas” exprimem a reação da sociedade diante da duração da vida.
A partir da arte se pode ter uma noção sobre o sentimento que havia antigamente em relação à infância – ou à falta dessesentimento particular. A arte medieval, até o século XII, desconhecia a infância. É provável que não houvesse lugar para infância nesse mundo. Até o final do século XIII, não parecem existir crianças caracterizadas por uma expressão particular, e sim homens em tamanho reduzido. Essa recusa em aceitar na arte a morfologia infantil é encontrada na maioria das civilizações arcaicas. “Tudo indica, defato, que a representação realista da infância, ou a idealização da infância [...] tenham sido próprias da civilização grega.” (pág. 52). A infância desapareceu da iconografia junto com outros temas helenísticos. Isso faz pensar que no domínio da vida real, a infância era um período de transição, logo ultrapassado, e cuja lembrança também era logo perdida.
Por volta do século XIII, surgiram...
tracking img