A criança e a cultura lúdica

Páginas: 20 (4915 palavras) Publicado: 10 de outubro de 2011
Revista da Faculdade de Educação
ISSN 0102-2555 versão impressa

|  | |
| |Rev. Fac. Educ. v.24 n.2  São Paulo jul./dez. 1998 |
| |doi: 10.1590/S0102-25551998000200007|
| |  |
| | |
| |[pic]|
| |Como citar este artigo |
| | |
| ||
| | |
| | |
| ||

A criança e a cultura lúdica
 
Gilles Brougère*
 
 
1. INTRODUÇÃO
Toda uma escola de pensamento, retomando os grandes temas românticos inaugurados por Jean-Paul Richter e E. T. A. Hoffmann, vê no brincar o espaço da criação cultural por excelência. Deve-se a Winnicott a reativação de um pensamento segundo o qual o espaço lúdico vai permitir aoindivíduo criar e entreter uma relação aberta e positiva com a cultura: "Se brincar é essencial é porque é brincando que o paciente se mostra criativo"1. Brincar é visto como um mecanismo psicológico que garante ao sujeito manter uma certa distância em relação ao real, fiel, na concepção de Freud, que vê no brincar o modelo do princípio de prazer oposto ao princípio de realidade2. Brincartorna-se o arquétipo de toda atividade cultural que, como a arte, não se limita a uma relação simples com o real3.
Mas numa concepção como essa o paradoxo é que o lugar de emergência e de enriquecimento da cultura é pensado fora de toda cultura como expressão por excelência da subjetividade livre de qualquer restrição, pois esta é ligada à realidade. A cultura nasceria de uma instância e de um lugarmarcados pela independência em face de qualquer outra instância, sob a égide de uma criatividade que poderia desabrochar sem obstáculos. O retrato é, sem dúvida, exagerado, mas traduz a psicologização contemporânea do brincar, que faz dele uma instância do indivíduo isolado das influências do mundo, pelo menos quando a brincadeira real se mostra fiel a essa idéia, recusando, por exemplo, qualquerligação objetiva muito impositiva, caso do brinquedo concebido exteriormente ao ato de brincar. Encontramos aqui de volta o mito romântico tão bem ilustrado em L’enfant étranger, de Hoffmann, onde o brinquedo se opõe ao verdadeiro ato de brincar. Alguns autores negam a qualquer construção cultural estável até mesmo o termo "brincadeira", "jogo". Seriam uma apropriação do "brincar", essa dinâmicaessencial ao ser humano.
Concepções como essas apresentam o defeito de não levar em conta a dimensão social da atividade humana que o jogo, tanto quanto outros comportamentos, não pode descartar. Brincar não é uma dinâmica interna do indivíduo, mas uma atividade dotada de uma significação social precisa que, como outras, necessita de aprendizagem. Desejaríamos, nesta comunicação, explorar as...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • A criança e a cultura lúdica
  • Cultura lúdica
  • Estratégia lúdica para crianças
  • Atividade lúdica e a criança hospitalizada
  • A criança e a atividade ludica
  • CULTURA LÚDICA (Brinquedoteca)
  • Atividades ludicas e oniricas na criança e no adolescente
  • crianca cultura e cidadania

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!