A bolsa e a vida, jacques le goff

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1719 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Fichamento a Bolsa e a vida, Jacques Le Goff, Ed. Brasiliense, São Paulo, 2004

Entre o dinheiro e o Inferno: a usura e o usurário pp.9-15

Nesta primeira parte do livro, Le Goff faz uma pequena introdução ao restante da obra. A questão da usura é levantada tendo-se em conta um dos maiores dilemas cristãos: a agonia do medo do Inferno.

Jacques Le Goff é um dos maiores autores da chamadaNova História, corrente da historiografia que tem como foco metodológico as formas de representação coletiva das sociedades e de suas estruturas mentais, cabendo ao historiador a análise e interpretação desses dados. Dessa forma, a maior parte das fontes escolhidas por Le Goff não estão nas sumas teológicas dos grandes pensadores escolásticos, mas sim nos exempla, pequenas narrativas, supostamenteverídicas, que integravam os sermões medievais. Como aponta o próprio Le Goff, o sermão na Idade Média é a grande mídia que atinge, em princípio, todos os fiéis (página 13).

A grande questão da obra é apresentada logo nas primeiras linhas do capítulo. O usurário é o embrião do capitalismo, e sua situação na Idade Média passa da grande repulsa à criação do Purgatório, a garantia do acesso aoParaíso até mesmo para os grandes pecadores.



A bolsa: a usura pp.17-32

Nos primeiros momentos deste capítulo o autor procura as definições de usura para o homem medievo. Como ele mesmo escreve: “a usura designa uma multiplicidade de práticas entre o lícito e o ilícito nas operações que admitem juros” (p.17). Como observa Le Goff, a usura não se trata da cobrança de qualquer juro, assimcomo não deve ser confundida com o lucro, “a usura intervém onde não há produção ou transformação material de bens concretos” (p.18).

A usura era reprovada tanto por argumentos religiosos quanto por argumentos laicos. Por viverem em uma sociedade extremamente religiosa, os homens medievais tendiam a procurar a solução para seus dilemas na Bíblia. Porém, as Escrituras freqüentemente secontradizem, o que permitiu, como comenta o próprio autor, que a sociedade medieval não se paralisasse perante a autoridade bíblica. Mas para a usura não havia contradições, como é bem apontado pelo autor através de trechos do Velho e do Novo Testamento.

Com a “redescoberta” do Direito Romano e a posterior formulação do Direito Canônico a usura passou a ser condenada também em termos de lei.Interessante notar que a usura, nos primórdios do debate escolástico, não possuía um papel relevante. Entretanto, com a expansão comercial iniciada no século XII, a usura torna-se um dos temas mais recorrentes da filosofia escolástica. Agora com o conhecimento do Direito, a filosofia medieval considera a usura como uma violação da Justiça (p.28)



O ladrão de tempo pp.33-45

O usurário na IdadeMédia foi identificado com diversas figuras. Temos a figura do rico louco, obeso, sempre segurando com afinco sua bolsa; do usurário representado em situações de desconforto sexual ou até de animalização; do judeu, dando origem ao anti-semitismo avant le lettre, como diz Le Goff, e por fim do ladrão, ou pior ainda, do ladrão de Deus.

A associação dos judeus como usurários se deu graças às diversasproibições de ordem econômica aplicadas aos judeus. Proibidos de realizar atividades produtivas como a agricultura, os judeus tiveram que se voltar às profissões “liberais” disponíveis na época. Nesse quadro destacam-se a medicina, ignorada pelos cristãos, que preferiam deixá-la aos cuidados de ricos médicos judeus, e a tarefa de fazer o dinheiro fecundar, ou seja, de ganhar dinheiro em cima dodinheiro, da usura.

Pelos mandamentos da Torá, os judeus não deveriam cobrar juros dos seus irmãos, ou seja, dos membros da sua comunidade. Assim, eles não se sentiam constrangidos em cobrar altas taxas de juros dos cristãos a quem emprestavam dinheiro. Essa diferenciação entre os clientes judeus e não-judeus ajudou a alimentar um ódio na cristandade européia contra os judeus e a usura....
tracking img