A arte de burlar sites de trabalhos completos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2177 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de março de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Apresentação da edição em português

Carlos Walter Porto-Gonçalves*

A COLONIALIDADE DO SABER: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas Latino-americanas, livro organizado por Edgardo Lander, é um marco nas ciências sociais. Tomo o cuidado de evitar dizer que se trata de um marco das ciências sociais latino-americanas para não reproduzir a geopolítica do conhecimento que, sob oeurocentrismo, caracteriza o conhecimento produzido fora dos centros hegemônicos e escrito em outras línguas não-hegemônicas como saberes locais ou regionais. É como se houvesse um saber atópico, um saber-de-lugar-nenhum, que se quer universal, e capaz de dizer quais saberes são locais ou regionais. Assim como cada um, de cada lugar do mundo, tem de assinalar em seu endereço eletrônico o país onde mora ede onde fala –.br (Brasil) ou .ve (Venezuela); ou .mx (México) ou .cu (Cuba) ou .ar (Argentina) ou .co (Colômbia )– aquele que fala a partir dos EUA não precisa apor .us ao seu endereço e, assim, é como se falasse de lugar-nenhum tornando familiar que cada qual se veja, sempre, de um lugar determinado, enquanto haveria aqueles que falam como se fossem do mundo e não de nenhuma parte específica. NoBrasil, há o nordestino, o sulista e o nortista, mas não há o sudestino, nem o centro-oestista1. Afinal, o sudeste é o centro e, como tal, não é parte. É o todo! E a melhor dominação, sabemos, é aquela que, naturalizada, não aparece como tal. Já houve época em que se opôs o verbo à ação. Todavia, a palavra, se verbo, indica ação.
Não pense o leitor que irá encontrar aqui mais uma versão de umterceiro-mundismo que durante muito tempo comandou as análises críticas do pensamento social. Não, o leitor encontrará aqui uma refinada análise que sabe dialogar com o legado de conhecimento europeu, enquanto um legado que tem seu topoi, como diria Boaventura de Sousa Santos. Afinal, apesar dos europeus imporem seu capitalismo em toda parte, isso não quer dizer que sua episteme dê conta de toda acomplexidade das distintas formações sociais que se constituíram em cada lugar e região do mundo nesse encontro, Etienne La Boétie chamou mal-encontro, da Europa com outros mundos a partir de 1492, sobretudo. Assim, se Imannuel Wallerstein nos falou de um sistema-mundo, Aníbal Quijano a partir de um outro lugar subalterno, nos conduzirá à idéia de um mundo moderno-colonial. Que o diálogo entredistintas matrizes de racionalidades e de distintos topoi possa se fazer nos mostram os próprios I. Wallerstein e A . Quijano quando, juntos, nos indicam a idéia de um sistema-mundo moderno-colonial, mais completa e mais complexa.
A Colonialidade do Saber nos revela, ainda, que, para além do legado de desigualdade e injustiça sociais profundos do colonialismo e do imperialismo, já assinalados pelateoria da dependência e outras, há um legado epistemológico do eurocentrismo que nos impede de compreender o mundo a partir do próprio mundo em que vivemos e das epistemes que lhes são próprias. Como nos disse Walter Mignolo, o fato de os gregos terem inventado o pensamento filosófico2, não quer dizer que tenham inventado O Pensamento. O pensamento está em todos os lugares onde os diferentes povos esuas culturas se desenvolveram e, assim, são múltiplas as epistemes com seus muitos mundos de vida. Há, assim, uma diversidade epistêmica que comporta todo o patrimônio da humanidade acerca da vida, das águas, da terra, do fogo, do ar, dos homens.
Aqui, nesse livro, a crítica ao eurocentrismo é uma crítica à sua episteme e à sua lógica que opera por separações sucessivas e reducionismos vários.Espaço e Tempo, Natureza e Sociedade entre tantas. Há, mesmo nos centros hegemônicos, aqueles que apontam esses limites e a própria ciência natural eurocêntrica revela seu diálogo com o pensamento oriental. Espaço e tempo é cada vez mais espaço/tempo e, nas ciências sociais, como aqui nesse livro é destacado, essa compreensão não-dicotômica nos permite ver que modernidade não é algo que surgiu...
tracking img