Zddsad

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3193 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
ii | CONTEÚDO
O objetivo deste tutorial é minimizar o risco de perdas financeiras nas lojas virtuais devido ao chargeback.
Explicaremos o seu conceito, as formas que ocorrem e quais soluções podem ser utilizadas na gestão de risco de sua loja virtual.

1
Fraudes
Com o aumento do interesse por parte dos consumidores nas transações virtuais e a crescente diversidade na oferta de produtos naweb, o comércio eletrônico convive, na mesma medida, com a intensificação do emprego de táticas sofistica- das de fraudes praticadas pelos ciber-criminosos. O tema desperta cada vez mais a atenção dos varejistas eletrônicos que investem em segurança da informação.
Prevenção à fraudes
Entre as ferramentas de defesa mais adotadas pelos varejistas virtuais estão a validação de código de segurançados cartões de crédito; o rastreamento do dispositivo de compra (IP); e o registro de dados de clientes com informações das últimas compras.
Todas essas informações auxiliam no controle de pedidos feitos no comercio eletrônico, mas mesmo assim, não existe uma ferramenta única de prevenção de fraudes. A principal questão, além de identificar a compra ilegítima, é ser assertivo para oferecer umaliberação rápida para o bom cliente. A ClearSale oferece soluções de Gestão de Risco para prevenção de perdas. É um sistema de gestão que contém 100% das informações dos clientes, onde as empresas configuram regras dos pedidos, revisando cada solicitação de compra para definir se ela será aceita ou rejeitada.
Essa gestão é de extrema importância para as empresas de e-commerce, no sentido de nãoafastar o bom cliente e para saber identificar se determinada transação está sendo feita pelo seu cliente ou por um criminoso.
Quando um pedido é enviado para a central e contém informações duvidosas, imediatamente ele é submetido a um procedimento de confirmação de dados para que a transação seja efetivada. Nunca se nega uma transação, mas se ela for suspeita, passa para uma central de análisemanual.
O bom funcionamento do Comércio Eletrônico depende da constante busca das empresas por soluções de segurança, além de guardar todas as informações dos clientes, para que na hora da compra o sistema possa autenticar a transação e de fato saber que ela está sendo efetuada pelo verdadeiro usuário.
Não existe 0% de fraude, até porque, se isso acontecer, significa que a empresa não está vendendo.Enquanto houver Comércio Eletrônico, será preciso lidar com a fraude, e que as empresas precisam saber administrar sua rede utilizando as ferramentas que a tecnologia disponibiliza, protegendo assim o bom cliente.
O mais importante é saber com quem estamos lidando, quem são nossos clientes e autenticar essas transações. Não há um sistema perfeito para acabar com a fraude. Os criminosos sãotalentosos e estão cada vez mais imersos na tecnologia e muitas vezes, sabem mais do que nós.
FRAUDES EM VENDAS COM CARTÃO DE CRÉDITO | 1
Fraudes em vendas com cartão de crédito
2 | FRAUDES EM VENDAS COM CARTÃO DE CRÉDITO
O temido chargeback
No comércio eletrônico há a necessidade de saber se o comprador virtual é ele mesmo. A inibição das fraudes é funda- mental para assegurar a saúde financeira daloja virtual, uma vez que parte dos prejuízos causados por fraudadores recai sobre o lojista.
Chargeback (que em português significa “estorno”.) é o cancelamento feito pela administradora do cartão de uma venda feita com cartão de débito ou crédito, que pode acontecer pelo não reconhecimento da compra por parte do titular do cartão ou pode se dar pelo fato da transação não obedecer àsregulamentações previstas no Contrato de Credenciamento e Adesão de Estabelecimentos. O chargeback pode ocorrer devido aos seguintes tipos de fraude: Fraude Efetiva, Auto- fraude, Fraude Amigável e Desacordo Comercial.
Tipos de fraudes com cartão de crédito
Fraude efetiva:
1. Primeiramente o falsário entra no site da loja e efetua uma compra com dados roubados.
2. Depois a administradora de...
tracking img