Yayoi kusama

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (982 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 21 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
i k u s a m a a a r t i s t a f a n a t i c a p o r p o n t o s e b o l a s / # i x z z 1 u v Y m D z t 9


Yayoi

Kusama


Biografia
Yayoi Kusama nasceu em Matsumoto, no Japão em 1929 edesde cedo começou a sua carreira como artista. Foi pintora, escritora, escultora, designer. Ainda em criança, esta artista já fazia magníficas pinturas com aguarelas, pastéis e óleos, tendo como baseas suas alucinações e pensamentos obsessivos graves. Em 1948, estudou Nihonga, um estilo de pintura muito exigente desenvolvido durante o período Meiji (1868-1912), em Kyoto. Mas, frustrada com essedistinto estilo japonês, preferiu seguir a avant-gard europeia e americana na escola de Arts & crafts. A artista começou a cobrir superfícies de todo o tipo (paredes, pessoas,etc), com bolinhas, o queacabou por se tornar na sua imagem de marca. Estas bolinhas eram fruto das suas alucinações. Em 1958, mudou-se para Nova Iorque onde produziu uma série de pinturas influenciada pelo movimentoexpressionista abstracto. Tornou-se uma pessoa bastante importante e conceituada no mundo da arte nos anos 60, o que fez com que muitos a associassem a pop art e que a comparassem com os melhores artistas daépoca, tais como, Andy Warhol. Kusama chamou atenção do público quando começou a organizar uma série de performances onde os participantes se encontravam nus e eram pintados com bolinhas coloridas,bolinhas essas que são fruto da sua obsessão. Estas tinham como objectivo fundir o mundo artístico com realidades externas, como a guerra no vietnam. Em 1973, foi necessário o regresso ao Japão, o queperturbou um pouco Kusama, pois lá a mundo artístico era totalmente diferente de Nova Iorque. Com isto, teve que seguir outro caminho e tornar-se negociante de artes. No entanto, em 1977, surgiram unsproblemas psiquícos que a “obrigaram” a voluntariar-se para trabalhar num hospital psiquiátrico, onde acabou por permanecer internada o resto da sua vida. “Se não fosse a arte, já me teria matado há...
tracking img