Vulvovaginites

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1439 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de janeiro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
VULVOVAGINITES
Conceito
Considera-se como vulvovaginite toda manifestação inflamatória e/ou infecciosa do trato genital feminino inferior, ou seja, vulva, vagina e epitélio escamoso do colo uterino (ectocérvice).
Quadro Clínico De um modo geral, traduz-se por corrimento (leucorréia), sensação de desconforto hipogástrico, prurido de intensidade variável, dor ao urinar (disúria) e dor oudificuldade para relações sexuais (dispareunia). Estes sintomas podem aparecer isolados ou associados.
Fisiopatologia As vulvovaginites quase sempre são causadas por agentes biológicos (transmitidos ou não pelo coito), mas também podem relacionar-se a fatores físicos, químicos, hormonais e anatômicos que agem, ora de forma predisponente, ora desencadeante do processo. Assim, deve-se mencionar odiabetes, a ingestão de esteróides, os traumas, o uso de lubrificantes e de absorventes internos e externos, como fatores que podem fazer desenvolver-se uma vulvovaginite. A depilação exagerada e freqüente, as roturas perineais, a prática de coito não convencional, e o uso de DIU além dos estados hiper/hipoestrogênicos podem favorecer às vulvovaginites por modificarem a flora vaginal.
Diferençasentre a Secreção Vaginal Fisiológica e a Resultante de Vulvovaginites A cavidade vaginal é fisiologicamente úmida, isto é, contém o produto de secreção das glândulas vestibulares e endocervicais, além da transudação da mucosa vaginal. Este conteúdo vaginal altera-se em decorrência de influências hormonais, estímulo sexual e até do psiquismo, daí a natural variação individual na sua qualidade equantidade. O profissional de saúde pode diferenciar o conteúdo vaginal fisiológico do patológico por meio dos seguintes elementos:
O conteúdo vaginal fisiológico resulta de: muco cervical; descamação do epitélio vaginal (ação estrogênica); transudação vaginal; secreção das glândulas vestibulares (de Bartholin e de Skene); à bacterioscopia ou exame a fresco nota-se a presença de flora vaginal contendolactobacilos (Döderlein) e outros;
suas características principais são: pH ácido: 4,0 a 4,5 (fora de gestação); mais abundante no período ovulatório, gestação, puerpério e pós-parto; pode ocorrer em recém-nascidos pela ação hormonal placentária; coloração clara ou ligeiramente castanha; aspecto flocular; pequena quantidade e inodoro; geralmente assintomático; à bacterioscopia nota-se pequenaquantidade de polimorfonucleares.
Etiologia
Infecções: bacteriana, virótica, fúngica
Infestações: protozoários, metazoários
Hormonais
Neoplásicas
Alérgicas
Traumáticas
Idiopáticas (psicossomáticas)

Os agentes etiológicos causadores de vulvovaginites mais prevalentes em nosso meio são: Gardnerella vaginalis, Trichomonas vaginalis e Candidasp.


VAGINOSE BACTERIANA
CONCEITO E AGENTES ETIOLÓGICOS
É a proliferação intensa de uma flora mista com desaparecimento dos lactobacilos acidófilos produtores de H2O2. A causa provável desta proliferação bacteriana mista ainda é desconhecida. Como agentes etiológicos temos: a infecção causada pela Gardnerella vaginalis (a mais prevalente), Bacteroides sp, Mobiluncus sp, micoplasmas,peptoestreptococos.
CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS
Sinais e sintomas:
-corrimento, geralmente em pequena quantidade, cujo odor fétido piora depois do coito e na menstruação;
-conteúdo vaginal acinzentado, de aspecto cremoso, algumas vezes bolhoso;
-queimação ou ardor ao coito são sintomas raros.
DIAGNÓSTICO LABORATORIAL
-Exame a fresco do conteúdo vaginal mostra a presença de "células-chave" ou"clue-cells", que são células epiteliais, recobertas por bacilos aderidos à sua superfície;
-Esfregaço corado do conteúdo vaginal (Papanicolau, Gram e Azul brilhante de Cresil) identifica a presença das "células-chave" ou "clue-cells";
-PH da secreção vaginal maior que 4,5;
-Teste da amina - fortemente positivo.
-Nota: o diagnóstico final se baseia na presença de corrimento mais um dos...
tracking img