Voto consciente

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1645 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS


Campus Contagem





Curso de Administração
















VOTO CONSCIENTE



























Contagem


Agosto de 2012





VOTO CONSCIENTE






















Projeto de Pesquisa do Curso de Administração daUniversidade PUCMG Contagem.


















SUMÁRIO







1 INTRODUÇÃO 3

2 JUSTIFICATIVA 5

3 OBJETIVOS 6

4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 7

5 METODOLOGIA 8

6 CRONOGRAMA ?

7 RESULTADOS ESPERADOS ?

10 REFERÊNCIAS INICIAIS ?

INTRODUÇÃO



A juventude é vista, muitas vezes, como problema e solução para o país. Do mesmo modo que ouvimosexpressões como "juventude perdida", "juventude viciada, violenta", escutaram frases célebres como "os jovens são o futuro do Brasil".          Para entender a juventude é preciso conhecer as transformações que esse momento significa na vida de cada, os sonhos, desafios, dificuldades... Daí, o grande número de estudos, discussões, projetos e debates que são realizados sobre a juventude no Brasil e nomundo.          Só para termos ideia da situação atual da juventude no Brasil, relaciono alguns dados¹ colhidos em diversas pesquisas e reportagens:-  de cada 2 desempregados no país, 1 é jovem. E mesmo entre os jovens que trabalham só 35% tem carteira assinada, a grande maioria está na informalidade; - os jovens são os que mais matam e, ao mesmo tempo, os que mais morrem em acidentes de trânsito;-os homicídios já são a principal causa de morte dos jovens - a cada duas mortes de jovens entre 15 e 24 anos, uma foi por homicídio;- os jovens entre 18 e 24 anos representam 2/3 da população carcerária no país;- estima-se que cerca de 9 milhões de jovens, entre 15 e 29 anos vivam na indigência, com renda per capita de até US$ 30 dólares mensais;- 22% das jovens entre 15 e 19 anos, já são mães, agrande maioria delas, solteiras;- mais de 1 milhão de jovens não estudam nem trabalham, vivendo integralmente o chamado "ócio juvenil";- ainda há 1 milhão de jovens analfabetos- metade deles mora em áreas rurais;- a necessidade de trabalhar para complementar a renda da família ainda é o maior motivo para os jovens abandonarem a escola;- de cada 15 jovens brasileiros, apenas 5 conseguem chegar aoensino médio e só 1 ao ensino superior;- 87% dos jovens nunca foram ao teatro ou a museus;- 60% nunca frequentaram cinemas ou bibliotecas;- 59% não vão a estádios nem a ginásios esportivos.          Diante desse quadro alarmante, é que os movimentos organizados de juventude, ao lado de entidades representativas e instituições acadêmicas, têm reivindicado a inclusão das políticas públicas dejuventude na pauta da agenda governamental nos planos nacional, estaduais e municipais.           O Governo Federal reconhecendo a importância de um espaço para a elaboração e execução de políticas para a juventude, criou a Secretaria Nacional de Juventude e o Conselho Nacional de Juventude, que coordenam e/ou acompanham projetos bem-sucedidos como o Pró-Jovem, ProUni, Agente Jovem, Primeiro Emprego,Escola de Fábrica, Juventude e Meio Ambiente, PRONAF Jovem, Nossa Primeira Terra.          Esse esforço governamental aponta uma nova direção e um novo desafio para a juventude, que é a Organização e a participação política dos jovens. Não basta ficar esperando que a sociedade preocupe-se, da noite para o dia, com os anseios e demandas juvenis. É importante que os próprios jovens comecem, desde aescola, a interessar-se pela política e atuem diretamente, cobrando responsabilidades de governantes, propondo ações e participando de fóruns, conselhos e eleições. Se analisarmos a história do País, veremos que praticamente todas as importantes mudanças e conquistas da nação brasileira, contaram com a participação ativa da juventude.         A primeira manifestação estudantil ocorreu, por...
tracking img