Vinho brasileiro desafiando o mercado internacional e seus contradições em seu baixo consumo per capita no mercado interno

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3237 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
RESUMO

Este artigo de conclusão do curso tem como foco principal o estudo do vinho brasileiro, demonstrando os benefícios da inserção deste produto no mercado varejista. De acordo com um recente levantamento feito pelo Instituto Brasileiro do Vinho - Ibravin (Ibravin, 12/2009) mostra que este mercado esta crescendo em média 8% ao ano nas vendas. Observou-se também a evolução do vinho quando aorefinamento de suas espécies, modos de elaboração, conservação, zonas climáticas e o panorama brasileiro na produção, bem como, as tendências do mercado de importadores do vinho nas regiões dos trópicos. Este estudo reflexivo fundamentou-se em revisão bibliográfica, que mostram os dados quantitativos fornecidos pelos órgãos competentes além de sua considerações na abordagem para este estudoestatístico, foi possível encontrar práticas de controles que as empresas fabricantes de vinho vem aperfeiçoando ao longo dos anos, como o desenvolvimento da balança de importação e exportação com este mercado singular que é o vinho. Sendo assim, foi possível notar o baixo consumo no mercado interno do produto em relação aos países com maior tradição no produção de vinho visto a média per capita ano.INTRODUÇÃO

O vinho é uma bebida muito especial. Embora pareça simples num primeiro momento, é importante esclarecer que em sua composição existem cerca de 600 (seiscentos) compostos químicos distintos, já estão hoje identificados e catalogados, e é justamente a combinação qualitativa e quantitativa destes elementos que permite obter a grande variedade de vinhos que temos no mundo (EMBRAPA,2009).
A vitivinicultura brasileira (cultura das vinhas e fabricação dos vinhos) vem evoluindo de maneira extraordinária. O atual panorama vinícola brasileiro é animador. Em setembro de 1995 o Brasil passou a ser membro da OIV - Office International de la Vigne e du Vin (Organização Internacional do Vinho), órgão que regulamenta as normas internacionais de produção de vinho, cujo objetivo é aelevação do padrão dos vinhos, um desses regulamentos é a implementação das Denominações de Origem Controladas, como as existentes nos países europeus.
Os brasileiros estão produzindo vinhos de qualidade e muitos têm recebido prêmios em concursos internacionais, que em sua grande maioria são supervisionados pela OIV.
O Rio Grande do Sul, além de ser o estado brasileiro de melhor e maior produçãovinícola, também é sede da UVIBRA (União Brasileira de Vitivinicultura) e da ABE (Associação Brasileira de Enologia), entidades que lutam para a melhoria do vinho Brasileiro. As vinícolas da Serra Gaúcha utilizam cepas nobres e contam com as mais avançadas tecnologias, idênticas as utilizadas nos principais países vinícolas da Europa.
Bento Gonçalves, tradicional região vinícola artesanal brasileirapróxima a Serra Gaúcha, trazida pelos imigrantes italianos, se modernizou com investimentos na tecnologia. Lá estão sediadas duas instituições públicas da maior importância na pesquisa e no ensino enológico: a EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) excelente centro de pesquisa, e a Escola Agrotécnica Federal Presidente Juscelino Kubitschek que tem formado gerações de técnicos emenologia, e a partir de 1995 passou a ter o Curso Superior de Tecnologia em Viticultura e Enologia, o primeiro centro de formação de enólogos do país e um dos raros nas Américas.
Assegurando a produção de bons vinhos, grandes partes premiados internacionalmente, já alcançaram o mercado internacional. A vinícola Cave de Amadeu, é um bom exemplo disso, pois, segundo afirmação de Vinícola Geisse Ltda,a vinícola Cave “engarrafou contrato de exportação para a Suíça, sendo que já vinha exportando para a Bélgica, Estados Unidos e Chile. E ainda com pretensão de finalizar as negociações com a Rússia, Uruguai e México”.
O Vale do São Francisco tem um grande diferencial, por possuir um clima quente e seco e com abundante irrigação do rio, permite que os vinhedos produzam o ano inteiro. Além...
tracking img