Vida e obra de luandino vieira

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2782 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Fundação Educacional da Região dos Lagos
Aluna: Luana Azevedo
Disciplina: Literatura Africana
Professora: Vanessa Ribeiro
Período: 6º
Luandino Vieira

Vida e obra de Luandino Vieira
José Vieira Mateus da Graça, conhecido por Luandino Vieira,nasceu dia 4 de maio de 1935, em Portugal.Aos três anos foi morar em Angla com seus pais.
Cidadão angolano pela sua participação no movimento delibertação nacional escolheu o nome de Luandino como homenagem a Luanda e contribuiu para o nascimento da República Popular de Angola.Fez os estudos primário e secundário em Luanda,tornando-se depois gerente comercial para garantir o seu sustento.
Acusado de ligações políticas com o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) foi preso em 1959 pela PIDE (Política Internacional de Defesa doEstado),no âmbito do que ficou conhecido como ‘’processo dos 50’’. Em 1961 voltou a ser preso pela PIDE tendo sido condenado a 14 anos de prisão e a medidas de segurança. Em 1964 foi transferido para o campo de concentração do Tarrafal (Cabo Verde), onde passou oito anos, tendo sido libertado em 1972, em regime de residência vigiada,passando a viver em Lisboa.
Entre outros prêmios literários,Luandino Vieira venceu o Grande Prêmio de Novelística da Sociedade Portuguesa de Escritores (1965), o Prêmio Sociedade Cultural de Angola (1961), o da Casa do Império dos Estudantes- Lisboa (1963) e o da Associação de Naturais de Angola (1963).
A partir de 1972, e já a residir em Lisboa,Luandino Vieira iniciou a publicação da sua obra,na grande maioria escrita nas prisões por onde passou.
Regressou em1975, onde exerceu cargos diretivos no MPLA e foi presidente da Radio televisão Popular de Angola. Membro fundador da União de Escritores Angolanos-cuja condição sempre reivindicou, apesar de ter nascido em Portugal - exerceu funções de secretário-geral desta organização desde a sua fundação, que ocorreu no dia 10 de dezembro de 1975e foi até o ano de 1992.
Entretanto,foi-lhe atribuído em 2006 oPrêmio Camões,o maior galardão literário para a língua portuguesa,que recusou’’por motivos íntimos e pessoais’’,segundo o que alegou num comunicado de imprensa. Sabe-se por entrevistas dadas sobretudo ao Jornal de Letras Artes & Ideias que não aceitou o prêmio por se considerar um escritor morto e que como tal o prêmio deveria ser entregue a alguém que continuasse a produzir. Tal fato veio-sealterar,pois O livro dos rios é um novo romance de Luandino Ferreira,editado pela Editora Caminho em novembro de 2006.
O escritor enquadra-se na Geração da Cultura (III),surgida no final dos anos 50- para prolongar a ação do Movimento dos Novos Intelectuais de Angola e da Mensagem- de que se destacaram,entre outros,Antônio Cardoso,Arnaldo Santos e Henrique Abranches.Mas,pela particularidade eprojeção da sua obra,Luandino ultrapassa-a ,para se fixar,nas últimas décadas,como uma das maiores figuras de escritor deste século,em língua portuguesa.
A parte significativa da sua obra foi escrita nos anos 60, nomeadamente os dois livros mais importantes, Luuanda e Nós, os do Makulusu. O primeiro constituiu uma autêntica revolução literária [...]. O segundo, escrito durante uma semana, conformeindicação do autor é para ele o texto com o qual mais se identifica em termos pessoais, quase autobiográficos, podendo ler-se como um testemunho vivencial e uma análise do colonialismo a partir de uma visão de dentro da sociedade branca.
A sua obra divide-se em duas fases: a primeira, que agrega as estórias escritas até 1962, ou seja, todas as incluídas em Vidas Novas, e que ainda se mantêm noslimites do discurso relativamente clássico, não demasiado afastado em relação à norma do português europeu e do modo narrativo conforme com o modelo do conto à Maupassant; a segunda fase, com a duração de dez anos, inaugurada pela escrita de Luuanda, tenderá progressivamente para a destruição da pacatez de leitura, disseminando marcas de angolanização da língua portuguesa, subtervendo a norma...
tracking img