valores humanos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (342 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de agosto de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto
Esse projeto pretende analisar e comparar o conto “O Enfermeiro” de Machado de Assis com o livro “O Cortiço” de Aloizio de Azevedo, no que se diz à elementos textuais, estruturais, contextuaiseanalisar as características machadiana presente.
Com o princípio de liberdade, igualdade e fraternidade, o realismo abrange a realidade que todo mundo vê. As obras de Machado de Assis têmcaracterísticasdo homem em seu meio social, objetiva, temas do cotidiano e muitas críticas.
Já o Naturalismo abrange o comportamento humano perante a sociedade, as alterações e influências que essecomportamentosofre no meio em que vive. Um bom exemplo de obra desse movimento é “O Cortiço”. No livro é retratado o comportamento humano no espaço apresentado de forma “exagerada”. Muita sexualidade eviolênciatomam conta de cada personagem. O personagem é muito violento ou muito explosivo. É como uma caricatura onde a característica de uma pessoa toma grandes proporções e se torna foco central.
EnquantooRealismo abrange o homem no seu meio social, seu comportamento físico e seu psicológico, suas atitudes, o Naturalismo mostra a interferência que a sociedade causa no comportamento do homem, pretendeprovarque ele age por instinto, que tem um lado animal muito aflorado.

A obra “O Enfermeiro”, tem como personagem principal Procópio que antes de ter o cargo de enfermeiro do coronel Felisberto,era umteólogo. Porem recebeu uma proposta de trabalhar para o coronel, um velho ranzinza, rico e a beira da morte. Já o personagem da obra “O Cortiço” é João Romão, um português ambicioso que juntadinheiropara comprar o cortiço. Aluísio de Azevedo também faz uso da personificação para dar vida ao cortiço, que de certa maneira é o “personagem” principal, mais importante do que o próprio JoãoRomão. Umtrecho do livro que exemplifica essa personificação está na página 37: “Eram cinco horas da manhã e o cortiço acordava, abrindo não os olhos, mas a sua infinidade de portas e janelas... [continua]...