Ultimo pau de arara - analise

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (649 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Ultimo Pau de arara – “ Luis Gonzaga”

A vida aqui só é ruim
Quando não chove no chão
Mas se chover dá de tudo
Fartura tem de montão
Tomara que chova logo
Tomara meu Deus tomara
Só deixo omeu cariri
No último pau-de-arara (bis)
Enquanto a minha vaquinha
Tiver o couro e o osso
E puder com o chocalho
Pendurado no pescoço
Eu vou ficando por aqui
Que deus do céu me ajude
Quem sai daterra natal
Em outros cantos não para
Só deixo o meu cariri
No último pau-de-arara (bis

Análise da música: Último Pau de Arara - Luíz Gonzaga 
A música “Último Pau de Arara - Luíz Gonzaga”retrata a dura realidade vivida pelos nordestinos no período da seca. Nela há presença do determinismo: “homem como produto do meio”, a terra não agradece a presença do homem, mas o nordestino tem um amorincondicional a sua terra natal e não a deixa por nada. 
Apesar da terra seca e improdutiva, os nordestinos ainda esperam de Deus uma solução, que no caso são as chuvas: “[...] Tomara que chova logo[...]” e não a abandonada até o momento em que a sua própria existência não é posta em risco, como podemos ver na seguinte parte da música: “[...] enquanto a minha vaquinha tiver a pele e o osso[...]”. 
Pela letra da música percebemos também que mesmo com todas essas situações conflitantes, o povo do nordeste ainda consegue enxergar que há qualidades em sua região, sendo que para eles o quefalta são as chuvas então acreditam sempre que amanhã a chuva virá: “[...] mas se chover dá de tudo fartura tem de montão [...]”
Nos últimos versos da música: “[...] Só deixo o meu cariri No últimopau-de-arara [...]” pode-se ver ainda mais claro, que mesmo nas condições menos favoráveis, os nordestinos conseguem forças em Deus para enfrentar a adversidade da seca e da vida no sertão, para continuarlutando e acreditando em dias melhores.









Tela “Os Retirantes”

[pic]

Analise da tela

pro meu sertão”. È possível ver a realidade dos nordestinos: seca, miséria, fome,...
tracking img