Tuberculostatico

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2267 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 25 de setembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Química Farmacêutica I

Profa. Veni Maria Andres Felli guiluve@usp.br

FCF/USP

29/08/2007

Tuberculose
Definição: doença infecto-contagiosa de caráter crônico; M. tuberculosis M. bovis Agente etiológico: complexo Mycobacterium tuberculosis M. africanum M. microti
www.niaid.nih.gov/dir/ labs/lhd/barry.htm

www.courses.ahc.umn.edu/…/ mycobac.tuberculosis.htmlwww.wadsworth.org/databank/ mycotubr.htm

A forma mais comum é tuberculose pulmonar

Epidemiologia
> 1 bilhão pessoas infectadas = 1/3 da população mundial infectada 30milhões morrerão nesta década
Séculos XVIII e XIX Revolução Industrial Brasil doença dos boêmios peste branca

80.000 novos casos/ano

8.000.000 novos casos/ano
www.who.int/ith/diseasemaps_index.html

Epidemiologia
A tuberculose é a maiorcausa de mortalidade resultante de infecção por agente bacteriano

www.bbc.co.uk/science/hottopics/ tuberculosis/humans.shtml

Epidemiologia
EUA
52% bacilos resistentes a 1 fármaco 32% bacilos resistentes a mais de 1 fármaco No de casos de tuberculose

1950

1985

1989

hoje endemia

10% bacilos resistentes a qualquer fármaco

co-infecção com HIV bacilos multi-resistentes aosfármacos

Tratamento
¾A quimioterapia é a única arma eficaz no tratamento da doença ativa. ¾A imunzação com a vacina BCG é a primeira a ser administrada, de acordo com o calendário oficial

¾Por apresentar rapidamente resistência, os fármacos são usados em combinação, segundo esquemas preconizados ¾A tuberculose deve ser tratada durante a gravidez, pois isoniazida não causa alterações no feto. Quimioterapia da tuberculose
DOTS -directly observed treatment short-course
Fármaco Ano 1944 1952 1965 1968 1970 + ++ +++ +++ ++ Atividade +++ ++++ ++++ ++ +++ Via de administração I.M. oral oral oral oral oral oral I.M. oral I.M. Toxicidade média baixa baixa baixa baixa média alta média alta média Custo alto baixo médio médio médio baixo alto alto alto alto

1a E S C O L H A 2a E S C O L HA

estreptomicina

isoniazida rifampicina etambutol pirazinamida

ácido para1946 aminossalicílico ciclosserina amicacina etionamida capreomicina
1955 1957 1966 1967

Quimioterapia

Esquemas de tratamento
ESQUEMA I

Tratamento de tuberculose pulmonar e extra-pulmonar (exceto meningite)

Duração (meses) 1a F A S E 2a F A S E 2

Fármaco

até 20 kg 10 10 35

Dose (mg/kg/dia)21-35 kg 36-45 kg 300 300 1000 450 300 1500

> de 45 kg 600 400 2000

rifampicina isoniazida pirazinamida

rifampicina
4

10 10

300 200

450 300

600 400

isoniazida

Quimioterapia

Esquemas de tratamento
ESQUEMA IR

Retratamento em recindivantes e retorno após abandono do Esquema I

Duração (meses) 1a F A S E 2a F A S E 4 2

Fármaco

até 20 kg 10 10 25 35 10 10 25Dose (mg/kg/dia) 21-35 kg 36-45 kg 300 200 600 1000 300 200 600 450 300 800 1500 450 300 800

> de 45 kg 600 400 1200 2000 600 400 1200

rifampicina isoniazida etambutol pirazinamida
rifampicina

isoniazida etambutol

Quimioterapia

Esquemas de tratamento
ESQUEMA II

Tratamento de meningite tuberculosa
Duração (meses) 1a F A S E 2a F A S E 2 Dose (mg/kg/dia) para todas as idadesmáxima 20 20 35 600 400 2000

Fármaco

rifampicina isoniazida pirazinamida

rifampicina
7

10 a 20 10 a 20

600 400

isoniazida

Em pacientes internados e associado a corticosteóides

Quimioterapia

Esquemas de tratamento
ESQUEMA III

Falência do tratamento com os esquemas I, IR e II

Duração (meses) 1a F A S E 2a F A S E 3

Fármaco

até 20 kg 20 12 25 35

Dose(mg/kg/dia) 21-35 kg 36-45 kg 500 250 600 1000 1000 500 800 1500

> de 45 kg 1000 750 1200 2000

estreptomicina etionamida etambutol pirazinamida

etionamida
9

12 25

250 600

500 800

750 1200

etambutol

Relação Estrutura Atividade (REA)

substituição com grupos arilalquila resulta em compostos inativos
O H N
1

NH2
2

substituição com grupos alquila resulta em...
tracking img