Transporte rodoviario mercosul

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1844 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL
MBA EM NEGÓCIOS INTERNACIONAIS



SAMANTHA POSENATO





TRANSPORTE RODOVIÁRIO
MERCOSUL
















SÃO CAETANO DO SUL

2012

Conteúdo

BIBLIOGRAFIA 9
OUTRAS REFERENCIAS 9

1. Introdução

O transporte rodoviário é ummodo que tem predominado sobre os demais no nosso transporte interno ao longo das últimas décadas, devendo continuar assim ainda por mais algum tempo.
A opção pela modalidade rodoviária como principal meio de transporte de carga é um fenômeno que se observa a nível mundial desde a década de 50, tendo como base a expansão da indústria automobilística associada aos baixos preços dos combustíveisderivados do petróleo. No entanto, a concorrência que vem sofrendo dos modos ferroviários, fluvial e marítimo de cabotagem tem sido muito forte, situação à qual deve se adaptar o que não deverá ser uma tarefa das mais simples para esse modo, sempre acostumado a liderar o transporte interno.
Ao longo dos últimos dez anos, o transporte internacional sofreu uma mudança radical em sua operação. Essaalteração se deu por causa do MERCOSUL, principalmente porque a proposta do Tratado é a livre circulação de bens e serviços. As regras para gerir este segmento são genéricas e estão identificadas no Decreto n° 99.704/90, que dispõe sobre a execução no Brasil do Acordo sobre Transporte Internacional Terrestre, entre o Brasil, a Argentina, a Bolívia, o Chile, o Paraguai, o Peru e o Uruguai.
OBrasil possui aproximadamente 1.700.000 Km de estradas sendo a maioria sem pavimentação (a maioria delas são estradas municipais). É um transporte que permite maior agilidade e rapidez. Seu trajeto é flexível, permitindo entregar as mercadorias de porta em porta e é ideal para pequenas e médias distâncias. A expansão das rodovias pode ser verificada especialmente a partir da década de 1950, ainda maiscom a implantação da indústria automobilística. Durante as décadas de 60 e 70 a estratégia governamental de integração regional leva a abertura de grandes rodovias como a Rio-Bahia, a Régis Bittencourt e a Transamazônica.

2. Situação da malha rodoviária

As dificuldades de se conseguir recursos para a manutenção e expansão da malha rodoviária têm levado o Estado a uma política deprivatização pelo sistema de concessão após a realização de leilões. Podemos citar a privatização da administração da Ponte Rio-Niterói, do sistema Anchieta-Imigrantes em São Paulo e da Rodovia Dutra (RJ-SP).
A privatização das rodovias tem, inegavelmente, provocando melhorias substanciais na qualidade e segurança das estradas. Surgem críticas especialmente ligadas ao custo e número de pedágios instaladosnessas rodovias. Algumas delas encontravam-se em tal estado de abandono que até as praças de pedágio não funcionavam. Além de não permitir os exageros por parte das concessionárias e fiscalizar para que elas cumpram os contratos estabelecidos, o Estado ainda deve se preocupar em continuar aperfeiçoando a rede rodoviária nacional e continuar investindo em outros meios de transporte.

3.1.Custos

A situação da malha rodoviária brasileira contribui com alguma parcela para a perda de produção e aumento do custo operacional dos veículos. Segundo a Revista CNT, verifica-se que “as condições do transporte terrestre (rodoviário e ferroviário) provocam, de acordo com avaliação da Embrapa, a perda de até 6% da safra de grãos” e que, além disso, as rodovias em mau estado aumentam, emmédia, 46% o custo operacional dos veículos.
Por outro lado, a extrema concentração do transporte de cargas através do modal rodoviário concorre para o aumento do seu custo médio quando comparado com outros países de grandes dimensões.

3.2. Custos de Recuperação e Manutenção

Para o dimensionamento dos custos envolvidos somente em restauração e manutenção de rodovias, podemos utilizar...
tracking img