Trabalhos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 50 (12269 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Exame Nacional de Português ________ ___ 2006/2007

Sequência 1
Os Lusíadas de Luís de Camões

Sequência 2
Poesia de Fernando Pessoa
- Mensagem
- Pessoa ortónimo
- Alberto Caeiro
- Álvaro Campos
- Ricardo Reis

Sequência 3
Memorial do Convento de José Saramago

Sequência 4
Felizmente HáLuar! de Luís de Sttau Monteiro


Sequência 1
Os Lusíadas de Luís de Camões

Génese, estrutura e classificação da obra
- Data de publicação: 1572 (Renascimento)
- Período de elaboração: de 1545 a 1570
- A obra encontra-se estruturada em 4 partes: Proposição, Invocação, Dedicatória e Narração
- Fontes literárias: Odisseia de Homero, Eneida de Virgílio (…)
- Fontes históricas: crónicasde Fernão Lopes, de Rui Pina, de João de Barros, etc.
- Género narrativo: epopeia*
- Importância atribuída ao que é narrado
- Protagonista: herói colectivo (o povo português)

Contexto histórico-cultural
Situação económico-social:
- momento pós-descobrimentos
- esbanjamento das riquezas obtidas
- crises económicas
- surgimento do tribunal do Santo Ofício
- ameaça do monopólio marítimo
-corrupção dos costumes

Situação cultural:
- desenvolvimento cultural florescente de influência clássica e renascentista
- apologia do ideal humanista
- desenvolvimento científico

Características da obra:
- Acção épica;
- O protagonista;
- Unidade da acção;
- Os episódios;
- O maravilhoso (intervenção dos deuses);
- Modo narrativo;
- Intervenção do poeta;
- Estilo grandioso,solene e decassilábico.
__________________________________________________________________________________________________
*Nota: Epopeia: Uma epopeia, forma literária da Antiguidade Clássica, define-se como uma narrativa, estruturada em verso, que narra, através de uma linguagem cuidada, os feitos grandiosos, de um herói, com interesse para toda a Humanidade.

Estrutura externa:
‘Os Lusíadas’ -Dividida em 10 cantos (1102 estrofes) e estruturada em oitavas (estrofes de 8 versos) de versos decassilábicos (heróico – acentos na 6ª e 10ª sílabas) e com rima ‘abababcc’

Estrutura interna:
1. Partes constituintes (4 partes)

Proposição (Canto I, estrofes 1-3)
Parte introdutória, na qual o poeta anuncia o que vai cantar - os feitos dos portugueses

“Que eu cante o peito ilustreLusitano.” ( Plano do Poeta
“Por mares nunca dantes navegados.” ( Plano da Viagem
“Daqueles Reis que foram dilatando.” ( Plano da História de Portugal
“A quem Neptuno e Marte obedeceram.” ( Plano da Mitologia

Invocação (Canto I, estrofes 4-5; CIII, estrofes 4-5; C. VII, estrofes 78-82; C. X, estrofe 8)
Pede inspiração às Ninfas

Dedicatória (Canto I, estrofes 6-18)
De acordo com os modelosestruturais das epopeias clássicas, a dedicatória não era um elemento obrigatório. Todavia, Camões opta por dedicar este canto ao jovem D. Sebastião, que reinava na época, tecendo-lhe um grande elogio e considerando-o a esperança da continuação do império português.
A dedicatória, tratando-se de um discurso em louvor do rei, obedece a uma estrutura organizada de acordo com os moldes da oratória:Exórdio: parte introdutória, ou seja, de apresentação do assunto que irá ser cantado
Exposição: exposição do assunto propriamente dito
Confirmação: apresentação das provas de que realmente os feitos do povo português ultrapassam os da antiguidade
Peroração: reforço da esperança depositada no novo rei e nos feitos gloriosos que irá concretizar
Epílogo: conclusão

Narração (CI, estrofe 19 até ao fimdo poema)
Desenvolvimento do assunto da obra, relato da descoberta do caminho marítimo para a Índia pelos navegadores portugueses liderados por Vasco da Gama, História de Portugal, Intervenção dos Deuses.

2. Planos narrativos (4)

Plano do Poeta – Reflexões, críticas, lamentações (normal/ no fim dos cantos)


Plano da História de Portugal – Plano encaixado...
tracking img