Trabalhos prontos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2109 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Tema X: Sinapses
Figuras de aula
A. Sinapses: histórico.
B. Comparação das sinapses elétricas e químicas.
C. Sinapses elétricas
D. Sinapses químicas: o padrão
E. Junção Neuromuscular.
F. Sinapses neurônio-neurônio
A. Histórico
    A expressão foi introduzida por Sherrington, no final do século XIX,  para designar a região de aposição de neurônios, anteriormente descrita por Ramóny Cajal. A transmissão química foi descoberta em 1920, por Loewi.
      Cada neurônio recebe no corpo celular e nos dendritos algo em torno de 1000 sinapses. Como são 10¹¹ neurônios ao todo, são, em números aproximados, 1014 sinapses no sistema nervoso.
B. Tipos de sinapses quanto ao processo da transmisssão: Elétricas e químicas
    Constituem a sinapse a terminação pré-sináptica, a zona deaposição, ou fenda sináptica, e a membrana pós-sináptica.
    Quanto ao processo de transmissão de sinais, as sinapses podem ser químicas ou elétricas. A tabela compara as características de uma e de outra.
 
    Esquema: Os dois tipos de sinapses, ilustrando fluxos de corrente, processo de transmissão, etc.
 
C. Sinapses elétricas
* Nas sinapses elétricas canais interligam ascélulas. Portanto, Há propagação eletrotôtonica de corrente entre as células interligadas, com retardo nulo na transmissão. Estas sinapses servem fisiologicamente à atividade sincronizada de grupos de células, sejam neurônios, células musculares lisas ou cardíacas.
* Os canais que interligam as células têm condutância da ordem de 100 pS, que varia segundo o tipo de proteína constitutivo.   Odiâmetro do poro está na faixa de 100 nm. Pelo poro passam solutos de baixo peso molecular, IP3, cAMP, pequenos peptídios, que, como mensageiros, levam sinais de uma para outra célula.
* Os canais ocorrem nas "gap junctions" e são formados por conexinas. Os canais são modulados por variáveis químicas, Ca e pH, por exemplo. A elevação nas concentrações do Ca e de H reduzem a probabilidade da aberturado canal. Os canais podem ainda ser controlados pela voltagem entre as células, condição em que a conexão pode ser unidirecional. A fosforilação da proteína modifica a probabilidade de abertura do poro e se constitui em forma de modulação do canal.
* As conexinas são proteínas com 4 alças transmembrânicas, com as terminações N e C no citosol. Seis conexinas formam um conex   on. Conexons decélulas vizinhas se unem covalentemente para formar o tunel entre as células.

E. Junção neuromuscular (Placa motora)
* É a sinapse entre o axônio do  neurônio motor e a célula muscular esquelética. Pela  extensão da sinapse, o potencial excitatório pós-sináptico ultrapassa o limiar de disparo do potencial de ação, de forma que para cada potencial de ação pré-sináptico há um potencial de açãopós-sináptico.
* Esta foi a primeira sinapse química investigada exaustivamente por Katz e Fatt, e as informações obtidas, aplicáveis às demais sinapses químicas, permitiram a construção do modelo atual para os processos que ocorrem nestas sinapses.
* O conjunto de fibras musculares inervadas por um neurônio motor é a unidade motora.
* Morfologia 
* O neurônio motor perde abainha de mielina nas proximidades da fibra muscular e estabelece contatos, os botões sinápticos, em vários pontos da célula muscular.
* Na terminação pré-sináptica o transmissor, a acetilcolina, está armazenada em "quanta", um número mais ou menos fixo de moléculas, em vesículas. A liberação quantal do mediador pode ser apreciada nos minipotenciais ou potenciais de placa em miniatura.
*Diferenciaçoes do citoesqueleto constituem a zona ativa, onde se dá a liberação do neurotransmissor. As vesículas se ancoram às proteínas desta região.  Na área próxima da membrana celular plasmática há canais para Ca, dependentes de voltagem, que se abrem com o potencial de ação. O influxo do íon eleva a concentração local a centenas de micromoles/l.
* De fronte da zona ativa, a...
tracking img