Trabalho

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 52 (12948 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 31 de março de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
TÉCNICAS DE INSPEÇÃO




























Introdução


As origens de falhas das máquinas estão nos danos sofridos pelas peças componentes.
Qualquer máquina pára de trabalhar quando alguma parte vital de seu conjunto se danifica. A parte vital pode estar no interior da máquina, no mecanismo de transmissão, no comando ou nos controles. Pode,também, estar no exterior, em partes rodantes ou em acessórios. Por exemplo, um pneu é uma parte rodante vital para que um caminhão funcione, assim como um radiador é um acessório vital para o bom funcionamento de um motor.


1 - EVOLUÇÃO E HISTÓRICO DA MANUTENÇÃO

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra atividade.

Estasalterações são conseqüências de:
• Aumento do número e diversidade dos itens físicos que têm que ser mantidos.
• Projetos muito mais complexos.
• Novas técnicas de manutenção.
• Novos enfoques sobre a organização da manutenção e suas responsabilidades.

Nas empresas vencedoras o homem de manutenção tem reagido rápido a essas mudanças, esta nova postura inclui uma crescente conscientização dequanto uma falha de equipamento afeta a segurança e o meio ambiente, maior conscientização da relação entre manutenção e qualidade do produto, maior pressão para conseguir alta disponibilidade e confiabilidade da instalação, ao mesmo tempo em que se busca a redução de custos. Estas alterações estão exigindo novas atitudes e habilidades das pessoas da manutenção, desde de gerentes, passando pelosengenheiros, supervisores, até chegar aos executantes.

1.1 - HISTÓRICO DE MANUTENÇÃO

Desde os anos 30, a evolução da manutenção, pode ser dividida em 3 gerações.
Segundo Kardec e Nascif (2001) a primeira geração abrange o período antes da Segunda Guerra Mundial, quando a indústria era pouco mecanizada, os equipamentos eram simples e, na sua grande maioria, superdimencioanados.Aliado a tudo isto, devido à conjuntura econômica da época, a questão da produtividade não era prioritária. Conseqüentemente, não era necessária uma manutenção sistematizada; apenas serviços de limpeza, lubrificação e reparo após a quebra, ou seja, a manutenção era fundamentalmente corretiva.
A segunda geração vai desde a Segunda Guerra Mundial até os anos 60. As pressões do períodoaumentaram a demanda por todo tipo de produto, ao mesmo tempo em que o contingente de mão-de-obra industrial diminuiu sensivelmente. Como conseqüência, neste período houve forte aumento da mecanização, bem como da complexidade das instalações industriais.
Começa a evidenciar-se a necessidade de maior disponibilidade, bem como maior confiabilidade, tudo isto na busca da maior produtividade, aindústria estava bastante dependente do bom funcionamento das máquinas. Isto levou a idéia de que as falhas dos equipamentos poderiam e deveriam ser evitadas, o que resultou no conceito de manutenção preventiva.
Na década de 60 esta manutenção consistia de intervenções nos equipamentos feitas a intervalo fixo. O custo da manutenção também começou a se elevar muito em comparação com outros custosoperacionais. Esse fato fez aumentar os sistemas de planejamento e controle de manutenção que, hoje, são parte integrante da manutenção moderna.
Finalmente, a quantidade de capital investido em itens físicos, juntamente com o nítido aumento do custo do capital, levou as pessoas a começarem a buscar meios para aumentar a vida útil dos itens físicos.
A terceira geração surgiu a partirda década de 70 e acelerou o processo de mudança nas indústrias. A paralisação da produção, que sempre diminuiu a capacidade de produção aumentou os custos e afetou a qualidade dos produtos, era uma preocupação generalizada. Na manufatura, os efeitos dos períodos de paralisação foram se agravando pela tendência mundial de utilizar sistemas just-intime, onde estoques reduzidos para a produção...
tracking img