Trabalho sobre prevenção ao uso de drogas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1924 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
ESCOLA MUNICIPAL GISÉLIA PALMA
ENDEREÇO: RUA FRANCELINO DE ANDRADE , S/N – LIBERDADE,
SALVADOR – BAHIA TEL.:(71) 3611-4120
REFERÊNCIA DO PROJETO: CURSO DE PREVENÇÃO AS DROGAS

PROJETO DE

PREVENÇÃO AO

USO DAS

DROGAS

MARÇO – 2011

CURSISTAS:CELESTE CRISTINA GONÇALVES,
ANDRÉ MARCELO FRÓES,
SANDRAKRUG FERNANDES,
ADRIANA GONÇALVES,
CLAUDIA MARIA FIGUEIREDO,
CLEIDE OLIVEIRA NOBRE LIMA,
SANDRA REGINAALMEIDA LUTIGARDES PACHECO

TUTORA: RUTE NOGUEIRA DE MORAIS BICALHO

1. Introdução

A escola como agente das transformações sociais é um importante espaço de influência nodesenvolvimento do adolescente.

A escola é uma instituição identificada por duas características fundamentais: a de ensinar conteúdos e a de formar as pessoas por meio da circulação de valores, idéias, crenças, preceitos morais e éticos.

Devemos, portanto, trabalhar o tema da educação escolar como instrumento de dupla dimensão. Ao promover mudanças nos sujeitos e na realidade, aescola é uma instituição que serve tanto para a manutenção das relações sociais injustas quanto para a transformação dessas mesmas relações.

O caráter contraditório que se faz presente no discurso pedagógico reflete-se no
trabalho do docente, especialmente no cotidiano da sala de aula.

Podemos afirmar que o trabalho escolar não é neutro. O professor não age com neutralidade ao organizar eexecutar seu trabalho pedagógico. Se um professor se diz neutro, na verdade já está tomando uma posição. Geralmente, essa tomada de posição é em favor dos interesses sociais predeterminados, ou seja, a favor de que as coisas continuem do jeito que estão. É, portanto, uma suposta neutralidade.

O saber e o poder são elementos importantes da relação entre educação, escola
e professor. A forma comoas pessoas, no interior da escola, fazem uso do saber ou do conhecimento e como este se liga à organização e à distribuição do resultado desse trabalho desenha aproximações ou distanciamentos entre o conhecimento produzido e a sua adequada socialização.

Precisamos ter uma visão de conjunto sobre o que transmitimos aos nossos alunos e sustentar, no fazer pedagógico, alternativas de ensino eaprendizagem criativas, inovadoras e libertadoras, para que não predominem técnicas, métodos, tarefas e conhecimentos essencialmente repetitivos, coercitivos, domesticadores.

Ao possibilitar a construção e a socialização do conhecimento, a escola “distribui” o poder advindo do saber, facultando a todos uma instrumentalização mais justa para desenvolver as transformações sociais necessárias.Assim, partindo da realidade da Escola Municipal Gisélia Palma, a qual atende alunos do Ensino Fundamental I, na faixa etária de 6 a 12 anos e oferece também a Educação de Jovens e Adultos , os quais são oriundos da classe popular, filhos de trabalhadores do mercado informal, alguns até fora do mercado de trabalho, vivendo de biscates, lançamos mão desse projeto de Prevenção ao Uso das Drogas, quevisa através das ações, educar crianças, adolescentes e suas famílias sobre o perigo do mundo das drogas.

2. Aspectos teóricos

Na escola, há exemplos de muitas relações sociais: professor-alunos, aluno-aluno, professor-professor, professor-direção, direção-alunos, alunos-funcionários, professor-funcionários, direção-funcionários, etc. E a forma como elas ocorrem vai dando origem a váriostipos de relações sociais: relações amistosas, relações complementares, relações íntimas, relações de dominação, relações de conflito, etc.

Entre esses tipos, chamamos a atenção para as “relações de poder”, que podem desequilibrar uma situação, principalmente se uma das pessoas se julga mais importante, com mais conhecimento ou com mais prestígio que a outra e usa esse “poder” para controlar ou...
tracking img