Trabalho militar

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3174 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Uberlândia, Sudeste - Minas Gerais, Brazil

Advogado e Consultor Jurídico, é sócio fundador do Escritório SLS ADVOCACIA com sede em Uberlândia-MG. Professor de Direito Agrário e Empresarial no Centro Universitário do Triângulo (UNITRI) e dos cursos preparatórios para concursos públicos IPED (Uberlândia) e PROJUR (Araguari). Professor Extensionista e fundador do projeto “Formação deExímios Conciliadores”. Instrutor dos cursos on line (Legislação Trabalhista Rural e Contratos Agrários) da Agripoint.com.br. Instrutor de cursos presenciais e in company da Moraes Cursos, da Rhaízes Consultoria Ltda e da Syngenta - Academia de Líderes OTO. Formado em Direito pela Universidade Federal de Uberlândia, possui especialização em Direito Empresarial pela Universidade Federal de Uberlândia.Contatos: Móvel:(34) 9979-0704. Fone/fax: (34)3217-3827. Facebook: http://www.facebook.com/home.php#!/profile.php?id=1784371169 Twitter: @gustavomdesa Linkedin: http://www.linkedin.com/profile/edit?trk=hb_tab_pro_top

Visualizar meu perfil completo

SEXTA-FEIRA, 6 DE MAIO DE 2011

Justiça do Trabalho autoriza empregada se masturbar no local de trabalho!
Quando pensamos já ter visto de tudo,deparamo-nos com mais esta notícia advinda da Justiça do Trabalho do Espírito Santo.
Em virtude de compulsão orgástica decorrente de alteração química no córtex cerebral cujo alívio ocorre com orgasmos, a empregada ajuizou reclamação trabalhista requerendo o direito de acessar sítios pornográficos e se masturbar em serviço!

Embasada em laudos médicos, que sugerem ser os remédios ansiolíticosincapazes de conter os efeitos do distúrbio, a Justiça do Trabalho autorizou direito de intervalos de 15 minutos a cada duas horas trabalhadas para "aliviar as tensões"...

A empregada revelou no processo que se masturba aproximadamente 18 vezes por dia, chegando a ter se masturbado 47 vezes no mesmo dia, razão que a levou a procurar tratamento médico pois, em seu dizeres: Comecei a suspeitar queisso poderia não ser normal.

A decisão é única no país.

[pic]
 Eis a autora da ação, Ana Catarina Bezerra Silvares, de 36 anos, que é divorciada e mãe de 3 filhos. Sua história foi matéria da Revista IstoÉ e já concedeu entrevista em rede nacional sobre o assunto.
Postado por AGROJUR às 07:23 [pic]
Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar noOrkut

|Reações:  | |


11 comentários:
1. [pic]

Anônimo6 de maio de 2011 13:15

kkkkk! Pensa casar com uma mulher dessa??? Deus me livre!!!


E cá entre nós o TRT esta de brincadeira!


E outra, quem vai contratar umamulher com este problema, sabendo de sua situação.



Brasil é o PAIS.



Um abraço MESTRE GUSTAVO!


Att,


David Jr

Responder
2. [pic]

Anônimo6 de maio de 2011 14:16

Gusta, mas ela é obrigada a lavar as mãos antes de fazer o almoço, certo??
ROGER

Responder
3. [pic]Anônimo6 de maio de 2011 20:32

Tomara que não seja empregada de empresa do ramo alimentício! rsrsrs


Daniel Camargo

Responder
4. [pic]

Dionísio9 de maio de 2011 07:16

Me apresenta, vou resolver o problema dela...
Dionisio

Responder
5. [pic]

Gustavo10 de maio de 2011 04:04Talvez ela esteje no ramo de atividade errado! O mercado é amplo e para todos!

Gustavo

Responder
6. [pic]

Anônimo11 de maio de 2011 06:59

Nesse caso a empregadora poderá demiti - lá? O risco em casa é muito grande, numa dessa a empregada não satisfeita com a masturbação poderá seduzir uma criança ou talvez o marido....
tracking img