Trabalho de historia (africa)

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1936 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Introdução:
No século XIX, alguns países europeus iniciaram uma fase de intensa e crescente industrialização. A grande quantidade de capitais acumulados e o desenvolvimento acelerado de novas tecnologias, gerou a necessidade de expandir o mercado e os investimentos.
Neste tempo a Europa era vista como centro do mundo, o europeu era o modelo de homem e o resto do mundo foi considerado terra semdono e os povos que o habitavam eram selvagens.
Tinham como argumento que um povo civilizado seria aquele que tivesse a mesma cultura européia, isso é, o mesmo modo de vida e o mesmo desenvolvimento. Alguns tinham por argumento a religião. Queriam levar a palavra de Deus aos povos que não eram cristãos.
A proximidade do continente africano e a grande extensão do território, despertou o interessedas grandes potências européias. Iniciou-se uma verdadeira corrida para África para buscar o domínio de novos espaços e ampliar as possibilidades econômicas. Nessa corrida, a concorrência entre países industrializados da Europa foi grande até mesmo perigosa.

1) Domínio Inglês sobre o Egito
1.1. A Questão do Canal de Suez (1869-1882)
Ainda que investir capital na África fosse algo poucolucrativo, a Inglaterra desde muito se preocupava com este continente na sua condição de território estratégico para garantir sua hegemonia em importantes mercados, tais como a Índia, a China e a América Latina. Diante do acirramento da competição internacional, a Inglaterra pretendia dominar as principais rotas de acesso a estes mercados, excluindo as potências adversárias.
Os franceses e o quedivado Egito, Ismail Pasha (vassalo do sultão turco-otomano), construíam o Canal de Suez, que ligaria o Mar Mediterrâneo ao Mar Vermelho, permitindo um rápido acesso da Europa aos portos asiáticos.
1.2. Os Ingleses estabelecem controle sobre o Canal de Suez
Ao longo da construção, o governante do Egito havia contraído uma enorme dívida junto aos banqueiros ingleses e franceses. Em 1875, naimpossibilidade de pagar esta dívida, Ismail Pasha põe à venda a sua cota de participação no empreendimento, que é comprada integralmente pela Inglaterra.
Em 1879, diante das crescentes dificuldades financeiras e dos "gastos extravagantes" do quediva, a França e a Inglaterra decidem assumir o controle das finanças egípcias através de uma intervenção direta, a fim de garantir que os capitais ingleses efranceses fossem restituídos.
1.3. Os Ingleses se tornam “administradores do Egito”
A situação provocou a revolta de grupos radicais egípcios (Revolta de Urabi) que viam na intervenção anglo-francesa um afronto às tradições do país. Assim, diante do estado de desordem, a Inglaterra decide unilateralmente ocupar o Egito e assumir completamente sua administração. Em seguida, os Ingleses iniciam odomínio do Rio Nilo, principal via de comunicação intra-africana.
2) Começa a Partilha da África
2.1. Depois da atitude inglesa, ninguém queria ficar para trás
A ação inglesa pelo controle do Canal de Suez e do Egito deslanchou uma verdadeira corrida pelo controle do maior número possível de possessões na África. Os franceses ocuparam a Tunísia e a Guiné em 1881-1884, a Inglaterra estendeu suaspossessões ao Sudão e para partes da Somália, a partir do Egito. Em 1870 e 1882, a Itália tomou posse da Eritréia, e a Alemanha ocupou o Togo, Camarões e os territórios no sudeste africano.
2.2. A Disputa pelo Congo
O Congo era uma região de pouco interesse econômico, mas que provocou uma série de disputas entre as potências imperialistas européias. A situação em torno da região era de tensão. Mesmosendo uma área com poucos atrativos, nenhuma das potências imperialistas aceitaria que um de seus rivais controlasse a área. O Rei Leopoldo II da Bélgica tinha planos expansionistas para a região do Congo, onde almejava explorar a produção de borracha em associação com trustes europeus.
A França havia se estabelecido em Brazzaville, em 1881, no Oeste do Congo. Portugal reclamava para si a...
tracking img