Totem e tabu - freud

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 19 (4512 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
TOTEM E TABU

A leitura desenfreada da literatura Freudiana em tempos ociosos me impeliu ao desenvolvimento de algumas idéias extraídas do livroTotem e Tabu. (Freud, 1913) Lançarei luz apenas a alguns aspectos pertinentes que me foram extremamente instigantes ao entrar em contato com a presente obra citada. Portanto, sem embargo, circunscreverei, sem propósitos seqüenciais, a origem dopensamento religioso que por fim enraizou-se no remorso incestuoso da horda primeva; articulando, em vista disso, questões das quais me são prementes frente ao meu próprio ponto de vista. Freud nos alerta com relação à obscura percepção interior de nosso mecanismo anímico que estimula invariavelmente pensamentos e que tais pensamentos são naturalmente projetados para o exterior visando alcançar o futuro eo além-mundo. Elementos tais como imortalidade, castigos, vida após a morte são reflexos do interior profundo do nosso psiquismo e que são exteriorizados nos campos religiosos e relacionais da vida. Freud faz uma significativa contribuição à antropologia social remontando a origem das instituições sociais e culturais; porém, ensejarei os meandros do Totemismo e sua relação com os objetos fálicosdo império incaico; ressaltando, portanto, – que Freud não nos alude a questões fálicas no texto e sim aos – objetos totêmicos que são um conjunto de entalhaduras animalescas e humanas explicitamente observáveis na cultura incaica cujos deuses eram representados por tais objetos inanimados feitos de argila e que o adorno principal do mesmo contemplava o falo como símbolo de poder e força. Acorrelação aqui exposta com o império incaico nada mais é do que minha contribuição ao texto, que visa enriquecer e articular fatos impressos na literatura psicanalítica aos fatos de minha própria experiência, – tendo em vista minha particular e profunda ligação com a cultura peruana. A gênese da religião e a subseqüente e/ou concomitante gênese da moralidade arraigaramse nos primórdios das tribostotêmicas em que elementos do clã viam-se barrados frente a algumas questões de desejo inerentemente enraizadas na constituição humana: o incesto e a agressão. Ao remontarmos questões do homem pré-histórico e, em particular, a cultura incaica, – logo de fato nos depararemos com objetos inanimados e explicitamente fálicos que representavam deuses de todas as espécies: seja na religião, na arte, ou naatividade para com a vida. O homem primitivo do qual me refiro não nos é extemporâneo, uma vez sabido a atual e infindável relação humana para com objetos inanimados cujo ofício lhe é resgatar a fraqueza humana que deriva de nossas projeções das imagos paternas. Todavia, tal resgate de nossas projeções se alicerça no plano mágico e não factual. A origem da matriz da psicanálise e o complexo nucleardas neuroses alinha-se às origens do clã Totemêtico em que a endogamia era considerada regra fundamental a ser respeitada e evitada, – uma vez imposta a ordem a fim de primar o objeto de desejo cujo chefe impunha aos demais do clã.

Concomitantemente a isso outra regra imperava aos primitivos e que ainda hoje nos ressoa como imperativo categórico da cultura: “Não matarás”! Portanto, uma vezexplanado tais regras fundamentais instituídas nos clãs, logo nos deparamos de imediato com as conjecturas que viabilizaram a instituição familiar e que tal viabilização nos brindou com algo do qual nos é constitucional e íntimo: a neurose. Por conseqüência e, a guisa de contextualização, Tabu refere-se ao proibido e ao misterioso eTotem refere-se ao instinto de proteção para evitar a quebra dosTabus. O complexo de Édipo já instaurado na horda primeva inviabilizou o saciamento pulsional dos outros elementos do clã totêmico: os irmãos, que ao fim e a cabo juntaram-se para aniquilar o elemento opressor cometendo, portanto, o parricídio. O pai como elemento castrador das relações do filho para com a mãe, entendendo, em vista disso, que a mãe representa ao filho fonte de vida e amor, cuja raiz...
tracking img