Tipos de microscópios

Tipos de Microscópios 
Hoje há diversos tipos de microscópios que permitem uma moderna e detalhada compreensão da arquitetura celular básica, entretanto todos tem as suas especificidades e limitações na forma de visualização das imagens celulares. Assim, vamos fazer uma breve descrição de alguns microscópios ilustrando a visão de cada um deles. 
MICROSCÓPIO ÓPTICO (LUZ)
| |
Cortehistológica de uma célula vegetal - Microscopia de Luz | Corte histológico de uma célula animal - Microscopia de Luz |
Foto de Angelo Cortelazzo (Unicamp) | Foto da Profª Adelina Ferreira (UFMT) |
Os microscópios de luz são os mais comumente usados em pesquisa biológica e contribuem como um papel fundamental nesta função. Compõe-se de uma parte mecânica que serve de suporte e uma parte óptica que éconstituída de três lentes: condensador, a objetiva e a ocular (Esquema abaixo). O aumento total de ampliação dada por um microscópio é igual ao aumento da objetiva multiplicado pelo aumento da ocular, está ultima aumenta o material enquanto a objetiva aumenta o poder de resolução que é capacidade de diferenciar entre dois objetos muito próximos. A visualização das imagens nas lâminas observadas aomicroscópio óptico podem ser de diversas colorações apresentadas pelos diversos tipos de corantes existentes que são usados cada qual oportunamente, afim de evidenciar a estrutura de estudo em questão, desde uma simples diferença entre o núcleo e o citoplasma bem como das organelas. O material da célula tem necessariamente que possuir micrômetros de espessura. para que a visualização ser o maiseficiente possível.
ICROSCÓPIO DE FLUORESCÊNCIA COMUM
| |
Foto de Shirlei Pimentel (Unicamp) | Foto da Profª Adelina Ferreira (UFMT) |
Imagens de microscopia de fluorescência comum |
 
Certas substancias gozam da propriedade de emitir luz quando excitadas por radiações de certos comprimentos de ondas (normalmente ultravioleta),podendo combinar-se a certas substancias presentes nascélulas permitindo a localização de determinadas estruturas.
A aplicação destas substancias como corantes estão hoje, estão fortemente ligados com métodos imunocitoquimicos, os quais permitem localizar e quantificar o caminho percorrido de moléculas específicas dentro do tecido em questão. Exemplo quando injeta-se no tecido animal antígeno com coloração influorescente, este se ligará no órgão emquestão ao seu anticorpo específico, assim o local de ação de onde se encontra o anticorpo dá para ser encontrado.
A técnica usa agentes químicos que emitem luz visível que pode ser verde, laranjada ou vermelho.
Uma vantagem da microscopia de fluorescência é que podem ser aplicados a células vivas para se determinar a concentração intracelular de íons de Ca+ e H+ podendo ser utilizado como forma demonitoria do pH de células vivas.
MICROSCÓPIO DE FLUORESCÊNCIA CONFOCAL
| |
Foto de Shirlei Pimentel (Unicamp) | Foto de Maria Júlia (Unicamp) |
Imagens de Microscopia de fluorescência confocal |
A microscopia de imunofluorescência tem suas limitações, uma delas é a superposição de imagens fluorescentes de moléculas, tornando difícil determinar o real arranjo molecular tridimensional.
Omicroscópio de fluorescência confocal evita esse problema permitindo a visualização da imagem muito mais precisa. Aqui as células são submetidas a compostos fluorescentes e as imagens são derivadas da luz excitatória de um feixe de laser que serão registradas por uma câmara de vídeo e armazenadas em um computador.
MICROSCÓPIO DE CONTRASTE DE FASE E INTERFERÊNCIA DE NOMARSKI
|
Imagem deMicroscopia de Contraste de Fase |
A microscopia de contraste de fase é especialmente útil no exame da estrutura e de movimento de organelas maiores como o núcleo e mitocondrias de tecidos vivos, transparentes e não-corados. Ela gera uma imagem com diferentes graus de obscuridade ou luminosidade.
A microscopia de interferência de Nomarski, ou diferencial evidencia apenas os contornos de grandes...
tracking img