Tipos de choque enfermagem

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 47 (11627 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Protocolo Assistencial do Hospital Universitário de Santa Maria

PROTOCOLO ASSISTENCIAL DE CHOQUE

Código: PCSCQ 01 Data: 27/07/2011

1. INTRODUÇÃO
O choque é uma síndrome caracterizada por insuficiência circulatória aguda com má distribuição generalizada do fluxo sanguíneo, que implica falência de oferta e/ou utilização do oxigênio nos tecidos, o que leva à disóxia tissular. Nem todos osdanos teciduais advêm da hipóxia, mas podem decorrer da baixa oferta de nutrientes, reduzida depuração de substâncias tóxicas, maior afluxo de substâncias nocivas aos tecidos, ativação de mecanismos agressores e redução de defesas do hospedeiro . Faz parte da via final, comum em inúmeras doenças fatais, contribuindo, portanto, para milhões de mortes em todo o mundo . É fundamental o seureconhecimento precoce para correção das disfunções por ele provocadas e sua causa de base, pois quanto mais precoce o tratamento, melhor o prognóstico para o doente. Os estados de choque podem ser classificados em: hipovolêmico, obstrutivo, cardiogênico e distributivo (tabela 1). • Hipovolêmico: caracterizado por baixo volume intravascular ou baixo volume
2 2 1,2

relativo à sua capacitância, o quedetermina hipovolemia absoluta ou relativa. O volume contido no compartimento intravascular é inadequado para perfusão tecidual . Há diminuição na pré-carga e diminuição do débito cardíaco (DC). A resistência vascular sistêmica está tipicamente aumentada na tentativa de compensar a diminuição do DC e manter a perfusão nos órgãos-vitais . Pode ser dividido em quatro classes com base na gravidade daperda volêmica, como demonstrado na tabela 2. Exemplos: desidratação, hemorragia, sequestro de líquidos. • Obstrutivo: ocorre em consequência de uma obstrução mecânica ao débito
1 3

cardíaco, o que ocasiona hipoperfusão tecidual. Causas comuns são: tamponamento cardíaco, tromboembolismo pulmonar e pneumotórax hipertensivo . • Cardiogênico: é consequência da falência primária da bomba cardíaca,que resulta
3

na diminuição do débito cardíaco.
2

Decorre de interferências

sobre o inotropismo e/ou

cronotropismo cardíacos. Causas: infarto do miocárdio, arritmias, miocardite, entre outras. • Distributivo: caracterizado por inadequação entre a demanda tecidual e a oferta de oxigênio por uma alteração no fluxo sanguíneo. Dessa forma, temos tecidos com fluxo sanguíneo elevado emrelação à necessidade e outros com fluxo sanguíneo elevado em termos numéricos, mas insuficiente para atender às necessidades metabólicas , como ocorre no choque séptico, anafilaxia e choque neurogênico.
2

1

Protocolo Assistencial do Hospital Universitário de Santa Maria
1,2

Tabela 1 - Classificação do choque Hipovolêmico

Desidratação (diarréia, vômitos, poliúria, queimaduras extensas,febre) Hemorragia (politraumatizados, ferimentos com arma de fogo ou arma branca) Sequestro de líquidos (pancreatite, peritonite, colite, pleurite) Drenagem de grandes volumes de transudatos (ascite, hidrotórax) Obstrutivo Coarctação da aorta Embolia pulmonar Pneumotórax hipertensivo Tamponamento cardíaco Cardiogênico Aneurisma ventricular Arritmias Defeitos mecânicos Disfunção miocárdica da sepseDisfunção de condução Falência ventricular esquerda Infarto agudo do miocárdio Lesões valvares Miocardite e cardiomiopatias Shunt arteriovenoso Distributivo Anafilaxia Choque séptico Choque neurogênico (trauma raquimedular, traumatismo craniano) Doenças endócrinas (hipocortisolismo/ hipotireoidismo) Síndrome vasoplégica, pós-circulação extracorpórea

2

Protocolo Assistencial do HospitalUniversitário de Santa Maria
1

Tabela 2 – Classificação da hemorragia no choque hipovolêmico Classe I Perda volêmica em % Perda volêmica em ml* FC (/min) PA Enchimento capilar FR (/min) DU (ml/h) Nível de consciência Reposição volêmica 40% >2000 >140 hipotensão reduzido >35 desprezível confuso-letárgico cristalóide +CH

1.2. Epidemiologia
Hollenberg SM, et al estima uma taxa de mortalidade de...
tracking img