Thomas hobbes

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3044 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Thomas Hobbes viveu entre 1588 e 1679, é um dos teóricos absolutistas da idade média, Estudou na universidade de Oxford, durante seu primeiro trabalho teve a oportunidade de entrar em contato com as obras clássicas, principalmente, nas épocas em que ficou na França e na Itália.
Hobbes gastou bastante tempo revendo algumas obras greco-romana, onde pode então publicar em 1629 uma tradução de“História da Guerra do Peloponeso” de Tucídides, após essa publicação volta a realizar viagens. Durante essas viagens Hobbes encontrou-se com três ilustres cientistas da sua época Galileu, Descartes e Mersenne. O contato com esses cientista elevou a empolgação de Hobbes pelo racionalismo, e inspirado pelos teoremas e princípios desenvolvidos pelas ciências da natureza pode compreender melhor o mundo.Com base em algumas importantes referências da física, começou a fabricar sua obra "Uma Curta Abordagem a Respeito dos Primeiros Princípios". Logo após dedicou-se a escrever sua coleção dividida em três partes, “De Corpore”, “De Homine”, “De civie”. Sendo da mesma época das guerras civis da revolução Inglesa, Hobbes interessou-se na reflexão política e em 1650 publicou “os elementos da lei”, e noano seguinte publicou a maior de suas contribuições intelectuais “O Leviatã”.
Para podermos entender melhor o pensamento de Thomas Hobbes devemos então compreender o que para ele significa estado de natureza. Hobbes foi um contratualista, afirmava que o estado e a sociedade só surgiriam a partir de um contrato, pois os homens viviam naturalmente sem organização e poder, onde então estas normasvigorariam a partir de um pacto pelos homens firmado estabelecendo regras e condutas do convívio social. Os contratualistas foram muito criticados, por exemplo, como pode um selvagem que nunca teve um contato social dominar a linguagem, ter noções jurídicas de um contrato, a ponto de se reunirem na floresta e firmarem um pacto social. Segundo Sir Henry Maine o contrato só é possível quando há noçõesque se aprimoram de uma longa experiência de vida em sociedade.
Hoje quando uma pessoa do século XX Le sobre o pensamento contratualista tem a mesma estranheza que Maine sentiu, por isso é necessário entender onde esta o erro de Maine. Para Hobbes o homem natural não é um selvagem, é o mesmo homem que hoje vive em sociedade, pois a natureza humana não muda com o tempo, a história ou o tempo nãomudam o homem, este é imutável.
Hobbes não afirma que os homens são completamente iguais, mas que são “tão iguais que...” igualdade esta para que nenhum homem coloque-se melhor que o outro, pois, por exemplo, eu não sei o que o outro quer ou pensa como ele não também não sabe o que quero, onde isso nos faz pressupor o que cada um fará. Dessas suposições a conclusão de cada um é que o certo seriaum atacar o outro, para vencê-lo ou apenas para evitar um ataque futuro, assim à guerra toma forma entre os homens. Se não tem o estado controlando e reprimindo essas atitudes a guerra é o mais racional para eles, estes homens.
2
Portanto se dois homens desejam a mesma coisa, ao mesmo tempo que é impossível ela ser gozada por ambos, eles tornam-se inimigos. E no caminhopara seu fim (que é principalmente sua própria conservação, e às vezes apenas seu deleito) esforçam-se por se destruir ou subjugar um ao outro. [...] E contra essa desconfiança de uns em relação aos outros, nenhuma maneira de se garantir é tão razoável como a antecipação; isto é, pela força ou pela astúcia, subjugar as pessoas de todos os homens que puder, durante o tempo necessário para chegar aomomento em que não veja qualquer outro poder suficientemente grande para ameaçá-lo. E isto não é mais do que sua própria conservação exige, conforme é geralmente admitido. [...] por outro lado os homens não sentem prazer algum da companhia uns dos outros (e sim pelo contrario, um enorme desprazer), quando não existe um poder capaz de manter a todos em respeito. [...] De modo que na natureza do...
tracking img