Terraplenagem

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1399 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR
PENEIRAMENTO E SEDIMENTAÇÃO



ANÁLISE GRANULOMÉTRICA POR
PENEIRAMENTO E SEDIMENTAÇÃO

Universidade Comunitária da Região de Chapecó
UNOCHAPECÓ
Chapecó SC/2012
Índice

Introdução ________________________________________________________ 04
Fundamentação Teórica _____________________________________________ 05
Materiais eMétodos_________________________________________________05
Preparação de amostra de solo para ensaio análise granulométrica ______________06
Conclusão_________________________________________________________07
Refêrencias________________________________________________________08

Introdução

O ensaio de granulometria é o processo utilizado para a determinação da percentagem em peso que cada faixa especificada de tamanhode partículas representa na massa total ensaiada. Através dos resultados obtidos desse ensaio é possível a construção da curva de distribuição granulométrica, tão importante para a classificação dos solos. A determinação da granulometria de um solo pode ser feita apenas por peneiramento ou por peneiramento e sedimentação, se necessário.

04
1. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

ANÁLISE GRANULOMÉTRICAPOR PENEIRAMENTO E SEDIMENTAÇÃO

A análise por sedimentação é realizada passando o material na peneira #2,0 mm, com material que fica retido nessa peneira realiza-se o peneiramento grosso, e com o material que passa por ela realiza-se a sedimentação e depois o peneiramento fino para grãos que ficarem retidos na peneira #0,075mm.
Para se entender o processo de sedimentação, analisa-se a Lei deStokes, que estabelece a velocidade limite alcançada por uma esfera em queda livre num meio viscoso, ao alcançar o movimento retilíneo uniforme.
Essa lei explica que um corpo em um meio viscoso sofre a ação de uma força viscosa (Fv) que é proporcional a sua velocidade (V).
Quando uma esfera é solta na superfície de um líquido, que possui uma densidade menor que a da esfera, no instante inicialsua velocidade é zero, mas essa por sua vez, sofre uma aceleração, não uniforme, até atingir um valor limite, momento em que a resultante das forças atuantes na esfera é nula.
Além da força viscosa, duas outras forças atuam na esfera: o peso da mesma (P) e a força de empuxo (E). Igualando a resultante dessas forças à zero, obtêm-se a velocidade limite (VL)
Na fase inicial (t=0), há uma suspensãohomogênea. Em qualquer profundidade existirão partículas de todos os tamanhos e estas estarão presentes em igual quantidade para um determinado diâmetro.
Na fase intermediária (t=t), há uma suspensão heterogênea, em que a densidade de suspensão varia ao longo da profundidade.

MATERIAIS E MÉTODOS

MATERIAL
Solo superficial retirado de Porto Alegre – RS

EQUIPAMENTOS
Os aparelhosutilizados para a execução do ensaio são:
* Estufa capaz de manter a temperatura entre 60 ºC e 65 ºC e entre 105 ºC e 110 ºC;
* Balanças que permitam pesar nominalmente 200 g, 1.5 g, 5 Kg e 10 Kg, com resoluções de 0.01 g, 0.1 g, 0.5 g, e 1 g, respectivamente, e sensibilidades compatíveis;
* Recipientes adequados, tais como dessecadores, que permitam guardar amostras sem variação de umidade;* Aparelho de dispersão, com hélices substituíveis e copo munido de chicanas (a rotação da hélice do aparelho não deve ser inferior 9000 rpm);
* Proveta de vidro, com cerca de 450 mm de altura e 65 mm de diâmetro, com traço de referência indicando 1.000 cm3 a 20 ºC;
* Densímetro de bulbo simétrico, calibrado a 20 ºC e com resolução de 0.001, graduado de 0.995 a 1.050;
05
*Termômetro graduado em 0.1 ºC, de 0 ºC a 50 ºC;
* Relógio com indicação de segundos;
* Béquer de vidro, com capacidade de 250 cm3;
* Proveta de vidro, com capacidade de 250 cm3 e resolução de 2 cm3;
* Tanque para banho, com dimensões adequadas à imersão das provetas até o traço de referência, capaz de manter a temperatura da suspensão aproximadamente constante durante a fase...
tracking img