Teorização do serviço social

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas: 5 (1162 palavras)
  • Download(s): 0
  • Publicado: 18 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIDERP – Anhanguera









Valdirene Teles de melo Rodrigues

Maria do Socorro de oliveira

Lucirene Menezes de Brito




FUNDAMENTOS HISTÓRICOS E TEÓRICO METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL II: teorização do serviço social no Brasil.












Goiânia/Goiás
Ano: 2012











Desafio de aprendizagem.

Curso: Serviço social.

Período Letivo:2011/3 Semestre: 3

Disciplina: Fundamentos históricos e teóricos metodológicos do serviço social II
Polo de Ensino: Uneeducação- Goiânia-GO

Professora tutorial: Juliana Duarte

Professora: Ma, Laura santos

Grupo de 03 alunas

Valdirene Teles de Melo Rodrigues- RA: 341046


Maria do Socorro de Oliveira- RA: 341724

Lucirene Menezes de Brito-RA: 341633

Goiania-GO.INTRODUÇÃO.


Movimento de reconceituação do serviço social.

A erosão do serviço social tradicional no brasil.

Movimento reconceituação.







Resumo:

O intuito desse relatório e conhecer como começou o trabalho do assistente social no Brasil e mundo, através da luta da categoria pra uma nova percepção de assistência a população, saindo do conservadorismo e trabalhando comórgãos governamentais para um verdadeiro resultado. Com leis e proposta que o profissional adquiriu ao longo da conquista.





Movimento de reconceituação do serviço social.



Em meados da década de 70, um grupo de assistente social começa a pensar sua pratica a partir da vertente instrumental técnica, na busca de alcançar a eficácia de sua ação. Esteperíodo é denominado por Netto de processo de renovação do serviço social. Podemos citar o encontro de Araxá ocorrido em 1967 - conhecido por I Seminário de Teorização do serviço social, o que culminou em mais sete encontros para neste seminário para debater os pontos elencados neste seminário citado.
Segundo Netto, a partir da década de 80, sob a influencia critica da vertente Marxista, a profissãoaponta a “perspectiva de intenção de ruptura” de um profissional engendrado em oriundas perspectivas de atuação. E possível encontrar a inspiração de pensamento de Marx, nas pesquisas e na teoria política ideológica, tendo em vista que o assistente social pertence à classe assalariada, também vai alem, quando percebemos que a categoria se especializou no trabalho coletivo, em vigor na lei 8.662/93 eno código de ética atual.




A erosão do serviço social tradicional no brasil.



E a “partir de uma perspectiva dialética e possível apanhar a intrínseca relação entre os elementos contrários” presentes na continuidade e a ruptura de uma profissão inserida na divisão social e técnica do trabalho.
No que tange as concepções acerca da reconceituação, percebe-seo esforço da profissão em caminhar na perspectiva de sua pratica, sendo que esta não e meramente executiva, burocrática subalterna e paliativa, mas sim “desvela a dimensão política” concluímos que a intervenção profissional pode contribuir tanto para uma “nova imagem” quanto para “auto-imagem” da profissão tendo como proposta a defesa dos direitos, proporcionando a transformações de uma novasociedade, cabe aos profissionais do serviço social a superação das limitações e dos equívocos, num permanente esforço de reconstrução histórica da profissão, sendo esse o verdadeiro significado desse movimento.
A autoimagem do serviço social se inicia a partir do instante em que se reconhece como trabalhador assalariado, apontando a característica de uma profissão com limitações.
Porem acondição de depender de sua força de trabalho, não é (e nem pode ser) um entrave ao enfrentamento de suas funções impares, tendo como base teórica o reconhecimento do individuo enquanto cidadão portador de direitos, dentro da sociedade que sempre perpassa por transformações, a luz de sua luta na defesa de direitos norteia como prioridade de sua ação profissional.
Foi a partir dos anos 1960 que...
tracking img