Teoria queer

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 46 (11394 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
150

SOCIOLOGIAS

DOSSIÊ
Sociologias, Porto Alegre, ano 11, nº 21, jan./jun. 2009, p. 150-182

A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização
RICHARD MISKOLCI*

Resumo
Originada a partir dos Estudos Culturais norte-americanos, a Teoria Queer ganhou notoriedade como contraponto crítico aos estudos sociológicos sobre minorias sexuais e à política identitáriados movimentos sociais. Baseada em uma aplicação criativa da filosofia pós-estruturalista para a compreensão da forma como a sexualidade estrutura a ordem social contemporânea, há mais de uma década debatem-se suas afinidades e tensões com relação às ciências sociais e, em particular, com a Sociologia. Este artigo se insere no debate, analisa as similaridades e distinções entre as duas e, por fim,expõe um panorama do diálogo presente que aponta para a convergência possível no projeto queer de criar uma analítica da normalização.

Palavras-chave: Teoria Queer. Sociologia. Sexualidade. Diferenças. Michel Foucault. Analítica da normalização. Teoria Queer emergiu nos Estados Unidos em fins da década de 1980, em oposição crítica aos estudos sociológicos sobre minorias sexuais e gênero. Surgidaem departamentos normalmente não associados às investigações sociais como os de Filosofia e crítica literária - essa corrente teórica ganhou reconhecimento a partir de algumas conferências em Universidades da Ivy League, nas quais foi exposto seu objeto de análise: a dinâmica
* Professor do Departamento de Sociologia da UFSCar. Doutor em Sociologia pela USP .

A

SOCIOLOGIAS

151Sociologias, Porto Alegre, ano 11, nº 21, jan./jun. 2009, p. 150-182

da sexualidade e do desejo na organização das relações sociais. A tensão crítica com relação às ciências sociais impulsionou o empreendimento queer e o estabelecimento de um diálogo que já era patente quando, em uma coleção de livros sobre teoria social contemporânea, figurou o título Queer Theory/Sociology (1996).1 O diálogo entrea Teoria Queer e a Sociologia foi marcado pelo estranhamento, mas também pela afinidade na compreensão da sexualidade como construção social e histórica. O estranhamento queer com relação à teoria social derivava do fato de que, ao menos até a década de 1990, as ciências sociais tratavam a ordem social como sinônimo de heterossexualidade. O pressuposto heterossexista do pensamento sociológico erapatente até nas investigações sobre sexualidades não-hegemônicas. A despeito de suas boas intenções, os estudos sobre minorias terminavam por manter e naturalizar a norma heterossexual. Os primeiros teóricos queer rejeitaram a lógica minorizante dos estudos socioantropológicos em favor de uma teoria que questionasse os pressupostos normalizadores que marcavam a Sociologia canônica.2 A escolha dotermo queer para se autodenominar, ou seja, um xingamento que denotava anormalidade, perversão e desvio, servia para destacar o compromisso em desenvolver uma analítica da normalização que, naquele momento, era focada na sexualidade. Foi em uma conferência na Califórnia, em fevereiro de 1990, que Teresa de Lauretis empregou a denominação Queer Theory
1 Refiro-me aqui à coletânea editada pelosociólogo Steven Seidman para a coleção TwentiethCentury Social Theory. Malden, Blackwell, 1996. 2 Durante a década de 1990, a Sociologia canônica começaria a valorizar o estudo da sexualidade a partir de obras como As Transformações da Intimidade: Sexualidade, Amor e Erotismo nas Sociedades Modernas (1992) de Anthony Giddens e A Dominação Masculina (1998) de Pierre Bourdieu. Não por acaso, estas obrasbuscam reorganizar toda uma bibliografia externa à disciplina, a partir dos edifícios teóricos de cada um dos autores. Ao invés de inovação, revelam-se tentativas de recuperar o passo perdido no estudo da sexualidade, mas sem necessariamente reconhecer sua centralidade para a análise sociológica.

152

SOCIOLOGIAS

Sociologias, Porto Alegre, ano 11, nº 21, jan./jun. 2009, p. 150-182...
tracking img