Teoria psicossocial do desenvolvimento

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 14 (3267 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Erik EricssonErik Erikson nasceu em 1902 na Alemanha. Filho de pais Dinamarqueses, mas abandonado à nascença pelo pai, foi educado por um pediatra Judaico-Alemão, que pensava ser o seu verdadeiro pai. Em 1927, tornou-se professor numa escola que se distinguia pelo seu estilo progressivo. Durante este período, Erikson começou a relacionar-se com a família Freud, muito especialmente com Anna Freud,com quem iniciou psicanálise e com quem ganhou o gosto do estudo da infância. Em 1930 publicou o seu primeiro artigo. Em 1933 foi eleito para o instituto de psicanálise de Viena. Também emigrou para os EUA onde iniciou a prática da psicanálise infantil, associando-se à faculdade de medicina de Harvard. Começou a preocupar-se com o estudo de como o Ego e consciência operam de forma criativa emindivíduos sãos. Em 1936, abandonou a universidade de Harvard para trabalhar no Instituto de Relações Humanas de Yale. Erikson faleceu em Maio de 1994Teoria Psicossocial do DesenvolvimentoO desenvolvimento evolui em oito estágios. Os primeiros quatro estágios decorrem no período de bebê e da infância, e os últimos três durante a idade adulta e a velhice.
Erik Erikson dá especial importância aoperíodo da adolescência, devido ao fato ser a transição entre a infância e a idade adulta, em que se verificam acontecimentos relevantes para a personalidade adulta.
Cada estágio contribui para a formação da personalidade total, sendo por isso todos importantes mesmo depois de se os atravessar. Como cada criança tem um ritmo cronológico específico, não se deve atribuir uma duração exata a cada estágio.O núcleo de cada estágio é uma crise básica, que existe não só durante aquele estágio específico, mas também nos posteriores em nível de consequências, tendo raízes prévias nos anteriores.
Erikson apresentou os estágios em termos de qualidade básica do ego que surge em cada um, discutiu as forças do ego que surgem nos estágios sucessivos e descreveu a ritualização peculiar de cada um. A formaçãoda identidade inicia-se nos primeiros quatro estágios, e o senso desta negociado na adolescência evolui e influencia os últimos três estágios.

1ª Idade: Confiança Básica Versus Desconfiança Básica

Nesta idade a criança vai aprender o que é ter ou não confiança, esta está muito relacionada com a relação entre o bebê e a mãe. A confiança básica é demonstrada pelo bebê na capacidade de dormirde forma pacífica, alimentar-se confortavelmente e de excretar de forma relaxada.
O bebê ganha experiência no contato com os adultos, aprendendo a confiar e a depender deles, assim como a confiar em si mesmo.
A desconfiança básica é a parte negativa deste estágio, que é equilibrada com a segurança proporcionada pela confiança.

Este estágio é o da ritualização da divindade, na medida que operao senso do bebê da presença abençoada da mãe, ao o olhar, tocar, no fundo em reconhecê-lo. São interações pessoais e culturalmente ritualizadas; a falta do reconhecimento pode trazer alienação na personalidade do bebê, um senso de abandono e separação.

2ª Idade: Autonomia Versus Vergonha e Dúvida

Durante este estágio a criança vai aprender quais os seus privilégios, obrigações elimitações. Há por ela, uma necessidade de auto-controle e de aceitação do controle por parte das outras pessoas, desenvolvendo-se um senso de autonomia. O versus negativo deste estágio é a vergonha e a dúvida quando perde o senso de auto-controle, os pais contribuem neste processo ao usarem a vergonha na repressão da teimosia.
A vontade tem origem na própria vontade treinada. Os elementos sãoprogressivamente aumentados pelas experiências ao nível da consciência, manipulação, verbalização e locomoção.
A ritualização deste estágio é judiciosa, a criança julga-se a si e aos outros, diferenciando o certo do errado e as pessoas ditas diferentes, formando-se a base ontogenética da alienação humana, a espécie dividida, que Erikson designou como pseudo-espécie, a origem do preconceito humano.

3ª...
tracking img