Teoria da maternida

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3148 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Análise Psicológica (1992), 2

0: 229-234

Psicologia da Maternidade: Alguns Aspectos da Teoria e Prática de Intervenção
ISABEL PEREIRA LEAL (*)

i. INTRODUÇÃO

Habitualmente radica-se a ascensão da Psicologia da Saúde num movimento herdeiro das conceptualizações biopsicossociais de Engel (1970) e Lipowski (1977). Este modelo que cresce e se desenvolve dentro da própria medicina comoalternativa ao clássico modelo biomédico perspectiva uma visão holística do homem, da saúde e de doença. Como todos os modelos possui os seus méritos e os seus limites. Um desses limites, é do nosso ponto de vista, o que promoveu a criação do mito da «humanização», conceito hibrido e vago que, até hoje, circula nas teorias e nas práticas assistenciais em geral e nas de cariz psicológico emparticular. De facto, dizer que a Psicologia da Saúde surge como resposta A necessidade de humanização dos cuidados de saúde (Dieksma, 1990) acaba por ser algo pueril e excessivamente simplificador de uma realidade por demais complexa. Os processos e vicissitudes que se encontram no território próprio da saúde, não fazem mais do que reproduzir, i3 sua própria escala, aquilo que a sociedade mais vasta,define a cada momento como sendo os seus valores e os seus problemas. Nesse sentido, o desenvolvimento da Psicologia da Saúde, é paralelo ao de muitas outras psicologias temáticas: a psicologia
(*) Professora Auxiliar, ISPA.

forense, educacional, empresarial, económica, etc. etc., e tal como nesses casos, não faz mais do que nomear uma área de intervenção. Neste caso na saúde. E comotradicionalmente a visão sobre a saúde se define pela negativa, quer dizer pela doença, a Psicologia da Saúde nasce tomando como população aquela que corresponde a um espaço previamente delimitado pela intervenção na saúde e na doença. Este espaço, habitualmente assimilado ao espaço médico é entretanto entrecruzado por múltiplas disciplinas e discursos, uns científicos e outros nem tanto. E, se em muitassub-áreas de intervenção em psicologia da saúde isso não é óbvio, julgamos que o é no caso da Psicologia da Maternidade.

2. MATERNIDADE E SAÚDE

A abordagem, numa óptica de saúde, da maternidade, inscreve-se numa espacialidade concreta pré-existente a todo o discurso psicológico. Dizendo de outra forma, o espaço de reflexão e intervenção que a maternidade oferece A psicologia, chega-nos num primeiromomento, via discurso médico. Este, ao longo dos séculos classificou, segmentou e caracterizou em especialidades e sub-especialidades suas, diferentes aspecto inerentes a especificidade da condição feminina. 229

E assim que, ao lado de hospitaisxweetras instituições de saúde que trabalham com doentes sem nenhuma especificidade sexual, existem depois essas instituições onde jamais indivíduoalgum do sexo masculino esteve internado para Iá dos recém-nascidos: as maternidades. São essas instituições peculiares que num primeiro momento rastreiam as utentes de uma ulterior intervenção psicológica. São elas que definem as categorias de pessoas, os grupos de risco, as populações-alvos. Há trinta anos, por exemplo, às maternidades eram magnos serviços de obstetrícia cuja maior preocupação eraindubitavelmente, fazer diminuir as mortes e sequelas dos problemas peri-natais para as mães e as crianças. Mas não passavam disso - serviços obstétricos. Em trinta anos assistiu-se a um rápido evoluir conceptual dentro do discurso médico, que implicou um extrordinário alargamento do campo de intervenção das Maternidades. De um lado em direcção ao novo recém-nascido, por outro em relação a mãe. Apreocupação com o novo recém-nascido conduziu ao estabelecimento das consultas de Pediatria e estas guiaram os técnicos na compreensão de que não bastava que um bebé crescesse e engordasse. Era igualmente importante que adquirisse um determinado nível de aprendizagens e respostas e que estas estavam estritamente ligadas à qualidade dos estímulos e das relações que o bebé implicava nas pessoas...
tracking img