Teoria da empresa

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (930 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
ADOÇÃO DA TEORIA DA EMPRESA NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

Segundo Fábio Ulhoa Coelho, “No Brasil, o Código Comercial de 1850 (cuja primeira parte é revogada com a entrada em vigor do CódigoCivil de 2002 – art. 2.045) sofreu forte influência da teoria dos atos do comércio. O regulamento 737, também daquele ano, que disciplinou os procedimentos a serem observados nos então existentesTribunais do Comércio, apresentava a relação de atividades econômicas reputadas mercancia. Em linguagem atual esta relação compreenderia a) compra e venda de bens móveis ou semoventes, no atacado ouvarejo, para revenda ou aluguel; b) indústria; c) bancos; d) logística;e) espetáculos públicos; f) seguros; g) armação e expedição de navios.
As defasagens entre a teoria dos atos de comércio e arealidade disciplinada pelo Direito Comercial – sentidas especialmente no tratamento desigual dispensado à prestação de serviços, negociação de imóveis e atividades rurais – e a atualidade do sistemaitaliano de bipartir o direito privado começam a ser apontadas na doutrina brasileira nos anos 1960. Principalmente depois da adoção da teoria da empresa pelo Projeto do Código Civil de 1975 (ela tinhasido também lembrada na elaboração do Projeto do Código das Obrigações, de 1965, não convertido em lei), os comercialistas brasileiros dedicam-se ao seu estudo, preparando-se para as inovações que seseguiriam à entrada em vigor da codificação unificada do direito privado, prometida para breve.
Mas, o projeto tramitou com inesperada lentidão. Durante um quarto de século, enquanto pouca coisa ounada acontecia no Congresso e a doutrina comercialista já desenvolvia suas reflexões à luz da teoria da empresa, alguns juízes começaram a decidir processos desconsiderando o conceito de atos decomércio – embora fosse este ainda o do direito positivo, porque ainda em vigor o antigo Código Comercial. Estes juízes concederam a pecuaristas um favor legal então existente para os comerciantes (a...
tracking img