Teoria da contabilidade ampla e o diagramde yu-enthoven|

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 18 (4319 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de abril de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Teoria da Contabilidade Ampla e o Diagrama Yu-Enthoven

Carlos Antonio De Rocchi
Antonio Reske Filho

Resumo:
No Brasil, as Teorias da Contabilidade desenvolvidas por Francisco D´Auria [em 1949] e Antônio Lopes de Sá [em 1992] são dominantes no ensino, pesquisa e legislação. Entretanto, a partir de 1964, tal importância decresceu no que serefere à regulamentação da contabilidade e legislação fiscal, devido à uma crescente popularização da Teoria de Contabilidade sugerida por Eldon S. Hendriksen, que vem sendo promovida por acadêmicos ligados à Universidade o São Paulo [USP].
As teorias desenvolvidas por Francisco D´Auria e Antonio Lopes de Sá foram criadas a partir da estrutura teórica da “Escuola Patrimonialista” criadapelo teorista italiano Vicenzo Masi em 1927. E é necessário reconhecer que a Doutrina Patrimonialista alcançou grande aceitação no Brasil, muito maior e mais ampla que na Itália. Mas cabe também observar que tal popularidade se deveu em grande parte à falta de outras estruturas referênciais teóricas.
O desenvolvimento da Contabilidade, nos países lusófonos, sempre se caracterizoupor um excessivo cientificismo, e isto frequentemente tem prejudicado o efetivo desenvolvimento da disciplina. Para muitos pesquisadores, a grande aceitação que as teorias de Jean Dumarchey (1933) e de Vicenzo Masi (1927) obtiveram no Brasil e em Portugal se devem a sua característica de atribuir à Contabilidade o status de ciência. O prematuro abandono da Sistematologia, proposta por FranciscoD´Auria em 1949, pode ser atribuído, em grande parte, a essa visão [pseudo] cientificista da Contabilidade

Palavras chave:
Contabilidade Ampla; Contabilidades Societais; Diagrama Yu-Enthoven; Sistematologia; Teorias Macro Contábeis.

1.– Introdução
Até o final da primeira metade do século XX, a Contabilidade ignorou totalmente afenomenologia relacionada ao patrimônio natural. Foi a publicação da obra-mór de Karl William Kapp (1950) que iniciou um processo em cadeia do qual resultou a Contabilidade Ambiental.
Entretanto, fato pouco conhecido fora do Brasil, com anterioridade à publicação do livro de Karl William Kapp, tinha sido editado no Brasil “Primeiros Princípios de Contabilidade Pura” (D´AURIA, 1949), onde sepropunha a contabilização por partidas dobradas de todo o Universo. Para embasar sua proposta de total evidenciação contábil do Universo, Francisco D´Auria desenvolveu o conceito de patrimônio econômico universal – ou Grande Patrimônio Social – que ele conceituou como o somatório dos recursos naturais disponíveis para satisfazer as necessidades humanas (D´AURIA; 1949, p. 7).
Aspropostas de Francisco D´Auria e de Karl William Kapp não despertaram interesse imediato, e sofreram evolução totalmente diferente. A Teoria dos Custos Sociais foi redescoberta nos anos 1970, e atualmente evoluiu para o Institucionalismo Econômico e a Contabilidade Ambiental. A Sistematologia, logo abandonada por seu criador, caiu em um quase total esquecimento.
Discute-se, nestetrabalho, como algumas proposições da Sistematologia deveriam ter sido aperfeiçoadas, para inclusão na estrutura da Teoria dos Custos Sociais e no arcabouço de uma Teoria Macro Contábil, bem como para aplicação prática na racionalização da exploração dos recursos naturais e no planejamento ambiental.

2.– Francisco D´Auria e a Sistematologia
O Brasil tornou-se naçãoindependente em 07 de setembro de 1822, quando se separou de Portugal e passou a constituir um Império. Em 15 de novembro de 1889, um golpe militar depôs o Imperador e instaurou um regime republicano presidencialista.
A Contabilidade Brasileira evoluiu pouco ou nada até os primeiros anos do século XX.
Durante os primeiros anos do período republicano, e até o final da...
tracking img