Teologia pastoral

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2593 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de março de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
MINISTÉRIO PASTORAL TRANSFORMADOR

Introdução:

As epístolas pastorais de 1 e 2 Timóteo e Tito descrevem as qualificações e tarefas dos líderes de uma forma que se presume uma certa longevidade, ou seja, possibilidade de conduzir um ministério em longo prazo. I Tm 3. 1-3,7. “Se alguém deseja ser bispo, deseja uma nobre função”. O grande propósito neste contexto seria oentendimento de que esses líderes escolhidos deveriam estar por longo prazo no meio do seu povo. (Jo 10.11, Ef 4.11-12, At 20.28).

1 – LONGEVIDADE, EFETIVIDADE E PROFUNDIDADE.

Apesar da história celebrar os líderes que triunfam numa crise, o grande visionário é aquele que impede a chegada da crise. Parece ser fundamental, quando pensamos em ajudar a igreja a evitar as crises que possamacontecer devido à falta de preparação ou de discernimento, que haja um estímulo entre as pessoas para um aprofundamento da vida espiritual. Isso raramente é possível se o pastor carece de tal profundidade. Portanto, quais são alguns dos passos a serem tomados por pastores que desejam promover a sua própria formação espiritual?

1.1 – DISCIPLINA DEVOCIONAL

A fim de desenvolver umaprofunda sensibilidade espiritual em meio ao seu povo, os próprios pastores devem reconhecer a necessidade de se manter contato com Deus.

1.2 – ADORAÇÃO INDIVIDUAL

O chamado divino sobre as nossas vidas só pode ser rico e relevante enquanto se apóia em nossa comunhão com Deus. Rm 8.28. O pastor precisa desenvolver um coração cheio de adoração.

2- IMAGENS DE LONGEVIDADEExistem três imagens, a de uma árvore, uma jornada e uma família.

2.1 – O PASTORADO É COMO UMA ÁRVORE.

Uma árvore é um organismo vivo que cresce e produz mai abundantemente quando desfruta de um bom tempo para aprofundar suas raízes. O estabelecimento de raízes numa igreja oferece credibilidade ao pastor. Enraizamento significa estabilidade para o pastor, para a sua famíliae para a própria igreja. O pastor que permanece é agraciado com a rara oportunidade de chegar mais ao fundo das realidades, Deus – Igreja. O pastor e o povo se tornam reais um para o outro e para com Deus.

Levam tempo para se arrancar nutrientes do solo e vida do ambiente. (Sl 1.3). Árvore – Solo / Pastor – Igreja. É um privilégio maravilhoso assistir aos frutos do ministério crescendo! Asemente da vida futura se transforma num fruto e esse fruto, no devido tempo, produz mais sementes e mais frutos. Você pode observar, ao longo do tempo, uma genuína transformação.

2.2 – A VIDA É UMA JORNADA

Uma jornada invoca pensamentos sobre distância, curvas, montanhas, condições variadas de tempo e progresso. Uma jornada das melhores não é a de um peregrino solitário ouaquela do tipo “só eu e Jesus”. Uma das maiores alegrias da jornada é a companhia e as experiências dos seus companheiros de viagem. E viajar juntos significa confiança mútua, os caminhantes se tornam cada vez mais sinceros.

O desenvolvimento de líderes numa congregação leva tempo, mas o esforço é bem recompensado. Até mesmo os companheiros de viagem “menos agradáveis” podem ser encorajados auma mudança de vida ao longo do tempo enquanto caminham com peregrinos mais maduros na fé.

2.3 – A IGREJA É UMA FAMÍLIA, A CASA DA FÉ

É preciso tempo para se conhecer uns aos outros e para se apreciar as forças e fraquezas mútuas que podem contribuir para o todo. Com os anos, os dons de cada um podem ser identificados e utilizados ao máximo para o avanço do Reino de Deus. Alémdo mais, a igreja é uma família de família. Ou seja, a igreja é constituída de famílias. Novas famílias são integradas à família eclesial estável.

Há uma profunda satisfação em ver as famílias da igreja, inclusive a do pastor, crescendo ao longo do tempo.

3 – DOZE CHAVES PARA UM PASTOR QUE DESEJA A CONTINUIDADE.

3.1 – ELOGIE O SEU ANTECESSOR

Ao relembrar as...
tracking img