Temporalidade e subjetividade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1662 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de março de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
UENP-Universidade Estadual Norte do Paraná
Acadêmica: Denise Corder Petrica
Disciplina: TCC
Professor: Fernando Brito
Proposta: Ensaio

Tema: A percepção do tempo no sistema capitalista.

O tempo é uma construção social. O homem sempre necessitou contar a passagem de tempo de alguma maneira, isto justifica as inúmeras teorias e indagações sobre o tempo, já que ele pode serentendido sobre vários aspectos. Por ser um tema complexo e abrangente, muitas áreas do saber humano pesquisam sobre o tempo e a sua influência na vida humana. Todas as ações humanas são controladas pela temporalidade, tanto a humanidade antiga quanto a contemporânea está de alguma forma aprisionada pela contagem do tempo. O que marca estas diferenças de temporalidade na vida humana são as adaptações dohomem dentro do seu contexto histórico e as necessidades de se relacionar com o tempo. Com a crescente industrialização e o advento do sistema capitalista, o tempo parece ter acelerado o que ocorreu na verdade não foi a aceleração do tempo, e sim adequação do próprio homem dentro do imperativo modelo produtivista.

Mas o tempo é o que? Medida, mudança, categoria, movimento, duração, memória,matéria ou imaginação? É real ou percepção? Os filósofos se ocuparam em pensar sobre o tempo, os poetas, os artistas também. ida

Esta intrigante palavra tempo, já era pensada pelos filósofos da antiguidade. Aristóteles dizia que o tempo é uma das dez categorias e se caracteriza como um todo e uma quantidade contínua. Para Kant, filósofo metódico e reconhecido da modernidade, percebe o tempo comouma das formas puras da sensibilidade, sendo portanto dado a priori, e constituindo uma das condições de possibilidade de nossa experiência do real, em Crítica da razão pura : “ o tempo não é outra coisa que a forma de sentindo interno, isto é, da intuição de nós mesmos e de nosso estado interior.” O próprio kant, usava da pontualidade dos relógios, servindo de orientação para os habitantes dacidade de Königsberg, Prússia Oriental . Conta-se que os habitantes de sua cidade acertavam os seus relógios quando o viam sair para passear às 3 h e 30 min da tarde.

O que pode nos intrigar com o tempo é o fato de que ele é irreversível e constante, ainda que eu não o perceba ou me recuso a pensá-lo, mesmo assim, sou afetada por ele. O presente se torna passado e o futuro presente, que logose tornará passado novamente. As teorias psíquicas também incluem a temporalidade como um ponto de discussão. As dimensões sobre este assunto, se dão por análise subjetiva e inconsciente, relacionando o tempo com o sujeito ontológico.

Ainda que sediciosa, a própria discussão sobre o tempo se torna vazia em uma sociedade tão apressada e recusada em perder tempo. Cada instante é controladopor um ideal categórico de produção e ocupação útil do tempo. Para Kehl, o homem contemporâneo vive tão completamente imerso na temporalidade urgente dos relógios de máxima precisão, no tempo contado em décimos de segundo, que já não é possível conceber outras formas de estar no mundo que não sejam as da velocidade e da pressa. (2009, p. 123)

O Sujeito não pode ser privar de suaconsciência, ainda que por algumas horas, para se adentrar nas possibilidades subjetivas desta análise. O grande afã não permite tão ação. Nada causa tanto escândalo, em nosso tempo, quanto o tempo livre, vazio. Ao contrário, é preciso aproveitar o tempo, fazer render a vida, sem preguiça e sem descanso. A própria reflexão do tempo é coisa ociosa demais, o mundo está esbaforido, apressado.

Épreciso estar em vigília, em uma sociedade extremamente competitiva e lucrativa, qualquer repouso seria fatal. Por isto os fatalistas, talvez os depressivos, se recusam a cumprir os ideais sociais que alinham o sistema capitalista. Aquele que corta o fio deste imperativo produtivista é tachado como estranho ou avesso ao sistema. Resumindo, quem procura um lugar ao sol, não pode se deixar levar por...
tracking img