Sociologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1127 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO
CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO

ALESSANDRO MARTINS DE SOUZA















SOCIOLOGIA





















Cachoeiro de Itapemirim
2010




ALESSANDRO MARTINS DE SOUZA

















SOCIOLOGIA









Trabalho apresentado ao Curso de Bacharelado em Administração da UNOPAR- Universidade Norte do Paraná, para a disciplina de Sociologia.

Orientador: Wilson Sanches.
Tutor Eletrônico: Kelly Cristina Fantucci Todão
Tutor de Sala: Núbia Faccini









Cachoeiro de Itapemirim
2010




Referência BibliográficaARAÚJO, Silvia Maria de. MOTIM, Benilde Lenzi. BRIDI, Maria Aparecida. Sociologia: um olhar crítico. Editora Contexto. (p.45 a p.75). São Paulo, 2009.

Conteúdo da Obra

O Livro Sociologia: um olhar crítico começa falando do trabalho que é fonte de vida, produção de riqueza e também fonte de desigualdades sociais. O trabalho pode representar uma obrigação para os que necessitam trabalhar, mas tambémrepresenta realização pessoal para os que gostam ou sonham ascender socialmente. O trabalho deixa marcas e pode expor o trabalhador a situações constrangedoras como o assédio moral. Há inúmeros tipos de trabalho, para homens e mulheres, salários altos e baixos, com carteira e sem carteira, e o tipo do trabalho está ligado ao lugar social ocupado pelos indivíduos na sociedade. O trabalho tem comometa produzir os bens e serviços necessários à manutenção da vida e atender a outras demandas e necessidades criadas pelo homem no mercado.
John Locke, definiu o trabalho como origem de toda a propriedade, e Adam Smith o elevou a produtor de todas as riquezas, enquanto Marx concebeu-o não apenas como fonte de produtividade, mas como expressão da própria humanidade. O trabalho é uma RelaçãoSocial, pois os homens se associam para produzir materialmente a sua sobrevivência. No século XIX, o trabalho transformou-se em mercadoria pouco ou muito valorizada, e não sem valor universal, pois depende de fatores políticos e econômicos e do lugar onde situa-se o trabalhador.
O trabalho em outros tempos estava associado a esforço físico, cansaço e penalização. Na era moderna, o trabalho tevesignificado transformado, passando a ser fonte de produtividade e riqueza. O processo de valorização do trabalho foi lento e precedeu o sistema de fábrica. Com a constituição de 1988, surge direitos e deveres do trabalhador garantidos pela CLT.
Weber , identificou na ética protestante, a fundamentação da ideia de vocação e de exlatação do trabalho como fator para a maior glória de Deus, ganhar dinheiroexpressava a virtude e a eficácia de uma vocação para o trabalho. O processo de construção de uma ética do trabalho, criou condições para o capitalismo se desenvolver. A sociedade se mantém integrada através da solidariedade social. Nas sociedades industriais, a solidariedade não desaparece, porém se modifica, deixando de ser mecânica para ser orgânica, funcional. Na sociedade industrial, osindivíduos são dependentes uns dos outros. Para Durkheim, a divisão do trabalho social é positiva para a ordem social, mas para Marx, o trabalho na sociedade capitalista é o responsável pela riqueza social produzida coletivamente, resultando numa concentração do poder e da riqueza. Para Marx a divisão do trabalho é um método para produzir o mais-valia, segredo de acumulação, expandir os lucros docapitalista e reduzir os custos da mão de obra. O trabalhador fica alheio aos resultados da própria atividade e distancia-se da condição de semelhança à de outros trabalhadores e não se identifica como ser da espécie. Para Marx existem duas formas de mais-valia: a absoluta e a relativa.
Dividido e alienado o trabalho na sociedade capitalista caracterizou-se basicamente como trabalho assalariado. No...
tracking img