Sociologia do meio ambiente

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1133 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Texto resultado de discussões presentes no conteúdo de disciplina do programa de pós-graduação sobre Desenvolvimento e Meio Ambiente.
Analisando o processo de construção do conhecimento, considerando um olhar antropológico, em contraposição ao olhar das ciências exatas e naturais, dominante neste de campo do conhecimento. Essa análise resulta de uma crise de paradigma, que gera, portanto,outros novos paradigmas no campo da epistemologia. Estas surgem a partir da crise sócio-ambiental emergente, pois foi exigida.

Discussão conceitual

Primeiramente, conceitua-se epistemologia como: “Estudo metódico e reflexivo do saber, de sua organização, da sua formação, do seu desenvolvimento, de seu funcionamento e de seus produtos intelectuais”, por Hilton Japiassu.
Oreferido autor também conceitua saber como sendo um conjunto de conhecimentos adquiridos metodicamente e possíveis de serem transmitidos pedagogicamente. Esse conceito é aplicado a aprendizagem uma vez que denota noções de saber fazer, saber técnico,... etc.
Hilton Japiassu também aborda o conceito ciência para diferenciar de saber. Entende que ciência é um conjunto de aquisições intelectuais quese comprova e se basta pela matematização.
Japiassu dá a epistemologia o status de ciência, independente da filosofia, que a reivindica como uma mais uma área sua de abordagem. Ocorre que outros cientistas oriundos das ciências exatas e naturas, pleiteiam esta legitimidade.
Há uma outra significação possível para a epistemologia, onde esta é compreendida como um campo do saberrepresentado pela teoria do conhecimento, sendo incorporado ao objeto de estudo da filosofia.
Durkheim, posteriormente, contribui para a incorporação da epistemologia em um novo campo de conhecimentos, o da sociologia do conhecimento.
A antropologia também contribuiu, pelos escritos de Levi-Bruhl, Evans Pritchard, Lévi Strauss, etc. Geertz situou o pensamento como resultado e processo aomesmo tempo, mas que ganha contornos diferenciados dependendo da sociedade que está se desenvolvendo.
O escopo de se analisar os vários tipos de saber, é ponderar o monopólio ou a supremacia que o conhecimento científico exerce sobre as demais formas de saber.
A questão da tecnologia com instrumento para avanço da ciência, fez com que se pensasse numa epistemologia ambiental, para seanalisar, através também das formas mais rudimentares de saber, contemplando, a ecologia, esse entendimento de união dos saberes.

Formas de conhecimento anteriores ao aparecimento da ciência

Sendo o conhecimento algo inerente a curiosidade do homem, e questionamentos a respeito de nossa origem e destino são comuns no princípio mítico, onde toda a existência humana se baseia em fatosfantásticos sobre a origem deste mundo, uma breve análise sobre elas nos permitirá compreender a forma de como estas se aproximam de textos da bíblia tidos como dogmas.
Mclagan diz que vários mitos de culturas distintas possuem em seu início o caos, onde reina a indiferenciação, onde nada se manifesta. Assim, a criação é provinda de uma manifestação entre opostos, e a força proveniente desta.Esta teroia converge para o do Big Bang, aceita no meio científico, ao mesmo tempo em que a Igreja Católica também a aceita.
Os mitos são construções sociais para explicarem determinado fato dentro do grupo. Antropólogos neoevolucionistas entendem a magia como ciência primitiva, sendo substituída, durante sua trajetória, por algo mais complexo, a ciência. Malinowski fazia esta leitura.Para o autor as duas não se confundem, pois a magia é uma tecnologia sem ciência.
Durkheim ao estudar os sistemas primitivos de classificação aborígenes da Austrália, diz que a organização social totêmica influenciou na classificação por eles utilizada, sendo a sociedade a fornecedora de elementos para a classificação da natureza e não o inverso. Lévi Strauss em Pensamento Selvagem destacou...
tracking img