Sociedades tribais e modernas

Sociedades tribais: Nas sociedades tribais o trabalho é uma atividade vinculada às outras, bem diferente das outras sociedades. A produção (trabalho) está vinculada a mitos e ritos, ligada ao parentesco, às festas, às artes, enfim a toda a vida do grupo.

-->O trabalho na sociedade capitalista

O capitalismo se constituiu a partir da decadência do Feudalismo na Europa Ocidental. Com ele otrabalho se transforma em uma mercadoria que pode ser comprada e vendida – a força do trabalho.

Weber - Relacionou o Capitalismo ao Protestantismo. A Reforma Protestante deu ao trabalho a condição de se obter êxito material como expressão de bênção divina, ao contrário da igreja cristã do sistema feudal;

Marx - Quando os trabalhadores percebem que estão trabalhando demais e recebendo de menos,os conflitos começam a ocorrer. Procurou demonstrar os conflitos entre trabalhadores e capitalistas, cujo lucro se dava através da “mais-valia”, diferença entre o valor produzido pelo trabalho e o salário pago ao trabalhador. Seria a base da exploração no sistema capitalista;

Durkheim - A divisão do trabalho seria uma forma de solidariedade e não um fator de conflito. A solidariedade orgânicaune os indivíduos em funções sociais nas quais cada pessoa depende da outra. Assim, a ebulição pela qual passava a sociedade era uma questão moral, pois faltavam normas e instituições para integrar a sociedade.

--> Transformações no mundo do trabalho

Fordismo - No início do século XX, a partir do desenvolvimento das fábricas, surgem as linhas de montagem, com a divisão do trabalho maisaperfeiçoada e detalhada.

Taylorismo - Propõem a organização do trabalho de forma científica, racionalizando a produção. Surge na indústria o planejamento ajustado para controlar a execução das tarefas e os especialistas em administração. Os trabalhadores eram recompensados ou punidos de acordo com a sua produtividade na indústria.

Pós-fordismo ou acumulação flexível - A partir dos anos de 1970.Flexibilização dos processos de produção (automação); flexibilização dos mercados de trabalho (subemprego); flexibilização dos produtos e dos padrões de consumo – a durabilidade dos produtos é pequena e a mídia estimula a troca.

O trabalho na sociedade capitalista
A experiência do trabalho como o esforço para prover a sobrevivência e enfrentar os desafios cotidianos tem acompanhado ahumanidade desde o seu aparecimento. No século XIX o trabalho estava submetido na dialética entre o senhor e o escravo.
Já no século XX, a análise marxista trouxe para o centro da discussão o trabalho alienado, o trabalho concreto, e abstrato, o trabalho morto embutido no maquinário e o trabalho vivo criador de valor. No clássico de Hannah Arendt A condição humana, a autora define labor como atividade quecorresponde ao processo biológico do corpo do humano pela sobrevivência, como fim da manutenção e reprodução da vida. Já o trabalho, propriamente dito, significa fabricação, criação do produto por técnica ou arte.

Assim sendo, os homens definem-se pelo que fazem, e na visão marxista a natureza dos indivíduos depende das condições materiais que determinam sua atividade produtiva. Portanto, noprocesso de trabalho participam o homem e a natureza e este regula as relações materiais entre si e a natureza.

Nos dias de hoje, é necessário distinguir o sofrimento que o trabalho impõe a aqueles que têm um emprego, do sofrimento daqueles que demitidos se encontram privados de qualquer possibilidade de atuar no mercado formal de trabalho.

No domínio individual, o trabalho é um elementocentral para a formação de identidade e da saúde mental do homem comum. No domínio político, o trabalho desempenha um papel estratégico na sociedade atual e, no domínio do conhecimento, do trabalho possibilita a produção de novas tecnologias.

A nova fase de concorrência intercapitalista mundial valoriza a busca da qualidade total, a terceirização em escala e o uso crescente de trabalhadores...
tracking img