Sociedade atual: individualismo e consumismo e o lugar da comunicação social: publicidade e propaganda

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 14 (3312 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Introdução:
Este trabalho tem por objetivo discutir e analisar, o estudo da antropologia e da sociologia sobre os hábitos das culturas das pessoas, como evoluíram, que períodos passaram. Estudiosos que se dedicaram a esse campo da ciência humana. Em seguida será retratado a sociedade atual e seus hábitos de consumo, o que as levam as compras, por que compram e qual o lugar da Publicidade epropaganda nessa sociedade consumista, que descarta produtos e marcas com facilidade e rapidamente. E por final abordarei o tema “ Publicidade feita para crianças e sua influência na decisão de compra” estudando desde o seu processo de criação, crescimento, quais fatores influenciam em cada idade da criança, se a criança tem papel fundamental no consumo familiar, e por fim as mudanças que ocorreram noshábitos de consumo das famílias brasileiras.


ABSTRACT

Estudando a cultura:
Segundo a autora Marilena Chaui citado em seu livro “ O convite a filosofia” São Paulo 2000, seja evidente que toda e qualquer ciência é humana, porque resulta da atividade humana de conhecimento, a expressão “ciências humanas” refere-se àquelas ciências que tem o próprio ser humano como objeto.
Para ganharrespeitabilidade científica, as disciplinas conhecidas como ciências humanas procuram estudar seu objeto empregando conceitos, métodos e técnicas propostos pelas ciências da natureza, o homem é dotado de razão, vontade e liberdade, é capaz de criar fins e valores, de escolher entre várias opções possíveis.
O humano como objeto de investigação, embora as ciências humanas sejam recentes, a percepção deque os seres humanos são diferentes das coisas naturais é antiga, a investigação do humano realizou-se de três maneiras diferentes citadas abaixo por Marilena Chauí:
O humanismo: Afirmando que não separa o homem e natureza, mas considera o homem um ser natural diferente dos demais, manifestando essa diferença como ser racional e livre agente ético, político, técnico e artístico.
Positivismo:Inicia-se no século XIX com Augusto Comte, enfatizando a idéia do homem como um ser social e propõe o estudo científico da sociedade: assim como há uma física da natureza, deve haver uma física do social. A teoria de Comte será uma das correntes mais poderosas e influentes nas ciências humanas em todo o século XX, essa ciência se desenvolveu pelo francês Emile Durkheim que estuda a sociedade comofato afirmando que o fato social deve ser tratado como uma coisa à qual são aplicados os procedimentos de análises e síntese criados pelas ciências naturais, recompostas por via de síntese, constitui as instituições sociais (família, trabalho, religião, Estado, etc).
“ Último período, desenvolvido por Dilthey insiste na diferença profunda entre homem e natureza e entre ciências naturais e humanas,chamados por Dilthey de “ciências do espírito ou da cultura”. Chaui, 2000
Os fatos humanos são históricos, dotados de valor e de sentido, de significação e finalidade e devem ser estudados com essas características que os distinguem dos fatos naturais.
Seguindo ainda a autora Marilena Chaui, O fato humano é histórico ou temporal: surge no tempo e se transforma no tempo. Em cada épocahistórica, os fatos psíquicos, sociais, políticos, religiosos, econômicos, técnicos e artísticos possuem os mesmos valores, devendo ser compreendidos, simultaneamente, como particularidades históricas ou “visões de mundo” específicas ou autônomas e como etapas ou fases do desenvolvimento geral da humanidade, isto é, de um processo causal universal, que é o progresso.
O sociólogo alemão Max Weber propôs queas ciências humanas – no caso, a sociologia e a economia – trabalhassem seus objetos como tipos ideais e não como fatos empíricos. O tipo ideal, como o nome indica, oferece construções conceituais puras, que permitem compreender e interpretar fatos particulares observáveis. Chaui, 2000
O estudo da fenomenologia introduziu a noção de essência ou significação como um conceito que permite...
tracking img