Simulado para o enem

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1556 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Sobre o texto “Prostituição infantil”, de Olavo Bilac, pode afirmar que:
(A) É uma crônica porque conta a história de crianças de forma literária e imparcial, sem nenhuma intervenção do autor com o seu ponto de vista.
(B) Trata-se de uma crônica por abordar um tema histórico, de modo cronológico, e que não mais pode ser usado em nossos dias, pois ela foi publicada em 14 de agosto de 1894.(C) Não é uma crônica porque narra fatos a partir da visão do autor, numa estreita relação de literatura e jornalismo.
(D) É uma crônica, mas também se pode inferir que é um artigo de opinião, trazendo a dualidade que é a principal característica desse estilo.
(E) É uma crônica porque é um tipo de narrativa de enorme consumo. Partindo de situações do cotidiano, ela traz fatos vividospelas pessoas, questionando-as.

2. Considere as alternativas abaixo sobre o gênero crônica:
I. A neutralidade e a isenção do cronista são fatores preponderantes para a realização de uma boa crônica.
II. A crônica é escrita para durar pouco; daí advém o seu caráter efêmero e datado, bem como o interesse muitas vezes momentâneo.
III. Rubem Braga, ao contrário de Carlos Drummond de Andrade eFernando Sabino, concentrou sua obra na crônica.
Qual(is) está(ão) correta(s)?
(A) Apenas I.
(B) Apenas II.
(C) Apenas I e II.
(D) Apenas II e III.
(E) I, II e III.
Senhor: senhora
Fremosa: formosa
Mesurada: comedida
Bon prez: honrada
Foron: foram
Pero: já que, porém
Des: desde
Mays: mais
Mi: mim
Assy: assim
Guisar: decidir, preparar
Quigi: dei, dediquei
A todomeu poder: de todo meu coração.
Senhor: senhora
Fremosa: formosa
Mesurada: comedida
Bon prez: honrada
Foron: foram
Pero: já que, porém
Des: desde
Mays: mais
Mi: mim
Assy: assim
Guisar: decidir, preparar
Quigi: dei, dediquei
A todo meu poder: de todo meu coração.

Texto I
Preguntar-vos quero por Deus,
Senhor fremosa, que vos fez
Mesurada e de bom prez,
Que pecados forom os meusQue nunca tevestes por ben
De nunca mi fazerdes ben.
Preguntar-vos quero por Deus,
Senhor fremosa, que vos fez
Mesurada e de bom prez,
Que pecados forom os meus
que nunca tevestes por ben
de nunca mi fazerdes ben.
Pero sempre vos soub’amar,
des aquel dia que vos vi
mays que os meus olhos em mi,
e assy o quis Deus guisar,
que nunca tevestes por ben
de nunca mi fazerdes ben.
Des quevos vi, sempr’o mayor,
bem que vos podia querer
vos quigi, a todo meu poder,
e pero quis Nostro Senhor
que nunca tevestes por ben
de nunca mi fazerdes ben.
Mays, senhor, ainda com ben
Se cobraria ben por ben.
(In: Segismundo Spina. A lírica trovadoresca. Rio de Janeiro; São Paulo: Grifo; Edusp, 1972. p. 332)
Nessa cantiga, o eu lírico é um homem que pergunta à mulher amada por que ela nãocorresponde a seus sentimentos. Teria ele infringido alguma regra do jogo amoroso?
(A) Não, pois a lírica trovadoresca se volta essencialmente à musicalidade.
(B) Sim, uma vez que uma das regras do jogo do amor cortês é a prudência para não abalar a reputação da dama.
(C) Sim, pois o eu lírico se apresenta como o senhor dos sentimentos da amada, fazendo a dama desprezar riquezas eposses em troca de seu amor.
(D) Não, pois ele promete honrar e servir a dama com fidelidade.
(E) Sim, pois o eu lírico apresenta-se absolutamente submisso à dama, o que não é característica da lírica trovadoresca.
TEXTO II

Amor é fogo que arde e não se vê;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bemquerer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se apanha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo amor?

(Luís de Camões. Lírica, cit., p. 123.)

4. Na poesia camoniana,...
tracking img