Sei la

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (343 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 1 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Pesquisa sobre: ‘O novo código civil Brasileiro e o direito das empresas.

I – Introdução
Com a entrada em vigor do Novo Código Civil brasileiro, em 11 de janeiro de 2003, deixa de existir aclássica divisão entre atividades mercantis – indústria ou comércio – e atividades civis – as chamadas prestadoras de serviços – para efeito de registro, falência e concordata. Para melhor compreensão doassunto, faz-se necessário uma rápida abordagem do sistema que vigorou por mais de um século entre nós.

Como se dividiam as empresas?
O Código Comercial de 1850 e o Código Civil de 1916, queregulavam o direito das empresas mercantis e civis no Brasil até 11 de janeiro de 2003, adotaram, como critério de divisão das empresas, as atividades exercidas por elas. Ou seja, dispunham que a sociedadeconstituída com o objetivo social de prestação de serviços – sociedade civil – tinha o seu contrato social registrado no Cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas – exceto as Sociedades Anônimase casos específicos previstos em lei. Enquanto que uma sociedade mercantil, constituída com o objetivo de exercer atividades de indústria e/ou comércio, tinha o seu contrato social registrado nasJuntas Comerciais dos Estados – inclusive todas as Sociedades Anônimas e raras exceções previstas em lei, na área de serviços.
Tratamento semelhante era conferido às firmas individuais e aos autônomos.O empreendedor que desejava atuar por conta própria, ou seja, sem a participação de um ou mais sócios em qualquer ramo de atividade mercantil – indústria e/ou comércio, ainda que também prestassealgum tipo serviço –, deveria constituir uma Firma Individual na Junta Comercial. Ou caso quisesse atuar, exclusivamente, na prestação de serviços em caráter pessoal e com independência, deveriaregistrar-se como autônomo na Prefeitura local.

Como ficou com o Novo Código Civil?
Ocorre, porém, que estas divisões não fazem mais parte de nossa realidade. O nosso sistema jurídico passou a adotar...
tracking img