Scribus

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 80 (19842 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de junho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES
PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO
DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS
PROJETO “A VEZ DO MESTRE”

COMO CONSTRUIR E DESENVOLVER OS PRINCÍPIOS DE CONVIVÊNCIA DEMOCRÁTICA NA ESCOLA?

TEODOMIRO PINTO SANCHES NETO

ORIENTADOR: Antonio Fernando Vieira Ney

BELÉM-PA
NOVEMBRO/ 2002UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES
PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO
DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS

1 PROJETO “A VEZ DO MESTRE”

COMO CONSTRUIR E DESENVOLVER OS PRINCÍPIOS DE
CONVIVÊNCIA DEMOCRÁTICA NA ESCOLA?

: TEODOMIRO PINTO SANCHES NETO

Trabalho monográfico apresentado como requisito parcial para a obtenção do Grau de Especialistaem Administração Escolar.

BELÉM-PA.
NOVEMBRO/2002

Agradeço a minha esposa pela contribuição dispensada neste estudo..

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24 Dedico este trabalho de pesquisa a todos aqueles que estão envolvidos nos ideais de educação, e com os sentimentos mais íntimos de mudança.

2526

27

28

29

30

31

32

33

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43

44

45

46

47

48

49

50

51 “Fazer da interrupção um caminho novo...

Da queda um passo de dança, do medo uma escada...
Do sonho, uma ponte...
Da procura, um encontro...”

Fernando Pessoa

52

53

54

55

56 SUMÁRIO

57 RESUMO

INTRODUÇÃO

1CAPÍTULO I

A FUNÇÃO SOCIAL E POLÍTICA DA ESCOLA
O papel da escola no mundo contemporâneo.
A educação escolar para a transformação social.

1 CAPÍTULO II

AUTONOMIA DA ESCOLA
2.1- Autonomia e racionalidade.
2.2- Autonomia e compromisso ético.
2.3- O projeto pedagógico como fruto da autonomia.

2 CAPÍTULO III

ESCOLA E DEMOCRACIA
3.1- A importância da gestão democrática.3.2- Formas de valorização da cultura juvenil.

CONCLUSÃO

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA E CITADA

2 INTRODUÇÃO

Ao longo de quartoze anos no exercício do magistério na rede pública e particular de ensino, nossas experiências levam-nos a refletir a respeito da centralização e da hierarquia de poder que ainda existe na escola, daí nossa inquietação: Como construir as relações democráticas naescola?

A partir de muitos avanços no campo teórico, que é repassado nos cursos de formação de gestores e técnicos, e a nova lei de Diretrizes e bases da educação nacional (lei 9.394/96), estabelecer o princípio de gestão democrática, referendado nas DCNENS. Nossas experiências cotidianas com magistério fotografam uma escola autoritária onde o poder do gestor é absoluto nas tomadas de decisões, oconselho escolar desconhecer seu verdadeiro papel, o grêmio estudantil é ignorado, os professores não são respeitados nas suas reivindicações salariais e melhoria do ambiente de trabalho, não existe formas de inserção da comunidade local nas atividades escolares, o pessoal de apoio é totalmente alheio ao processo de ensino e o projeto político pedagógico ainda é uma utopia. Portanto, é como a escolafosse uma grande peça teatral e os atores atuando em monólogos.

É com este retrato de escola que entramos no terceiro milênio, tendo uma tecnologia relativamente avançada e com novos paradigmas sobre organização humana, nesse espaço de aprendizagem ainda imperam as teorias clássicas as quais herdamos dos nossos avos, assentadas sobre bases de uma gestão rígida e burocratizante e sem autonomia.A partir desse envolclo de problemas relacionados, propomo-nos, a partir de uma revisão bibliográfica, buscar subsídios teóricos que venham fundamentar o trabalho de gestão escolar democrática. Dessa forma, pretendemos contribuir com os discursos sobre a função social da escolar, com a implementação de propostas pedagógicas, com a valorização de projetos juvenis, com a promoção e articulação...
tracking img