Schwarcz, lilia moritz. as barbas do imperador: d. pedro ii, um monarca nos trópicos. são paulo: companhia das letras, 1998.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (749 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ – CAMPUS SENADOR HELVÍDIO NUNES DE BARROS
CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA – HISTÓRIA DO BRASIL IMPÉRIO
PROFª. MSª. ANA MARIA KOCH
ROBSON ALMEIDA FERRAZSCHWARCZ, Lilia Moritz. As barbas do imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

“Qualquer história permite, por certo, várias narrativas e inúmerasleituras.” [14]

Schwarcz introduz o seu texto levando em conta o “mito de Aukê”, que segundo a mesma, ajudará “a entender a monarquia brasileira como uma experiência partilhada por diversas visões esujeita a muitas recuperações.”
Irá discutir a partir desse mito, a relação do Imperador com todos os discursos em seu favor, ou contra si, ainda questionará, de modo muito preciso, algunsdesentendimentos ou contraditórios rumos que tomaram a história nesse contexto, “afinal, como explicar a permanência, por quase sessenta anos, de uma monarquia rodeada de repúblicas por todos os lados?”. Ou aindamelhor, como “entender o enraizamento de uma realeza Bragança, mas também Bourbon e Habsburgo, em um ambiente tropical, cercado de indígenas, negros e mestiços?”.
A autora ainda relaciona ascontradições estruturais que se mantinham enraizadas, culturalmente e tradicionalmente no Império, “longe das luxuosas cortes européias, a capital da monarquia brasileira, em 1838, possuía cerca de 37 milescravos numa população total de 97 mil habitantes, e em 1849, em uma população de 206 mil pessoas, 79 mil cativos.” Considera ainda que “nesse ambiente, a corte e os paços representavam ilhas com pretensõeseuropeias cercadas de mares tropicais”.
Sobre “as relações entre Brasil e África”, Schwarcz descreve “uma troca mais alargada do que se pode, à primeira vista, imaginar”. João José Reis, autorcitado por Schwarcz, considera que “havia uma mentalidade monarquista, por assim dizer, circulando entre os negros, que parece ter sido recriação de concepções africanas de liderança, reforçadas em uma...
tracking img