Síndrome hipertensiva da gravidez

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3720 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
1.4.1Síndrome Hipertensiva da Gravidez


É importante detectar precocemente os estados hipertensivos que se constituam em risco materno e perinatal.


Toda a gestante com quadro hipertensivo deve ser encaminhada para realização do pré-natal de alto risco no


serviço de referência.


1.4.1.1 Hipertensão Gestacional


A hipertensão aparece emconseqüência da própria gravidez, geralmente após a 20ª semana de gestação;


O diagnóstico se faz através dos seguintes dados:


• Presença de PA diastólica ≥ 90 mm Hg;


• Aumento da PA diastólica acima de 15 mm Hg do valor previamente conhecido;


• Ausência de proteinúria.


A normalização dos níveis pressóricos acontece no puerpério remoto após 6semanas.


Pode evoluir para:


• Pré-eclâmpsia quando a hipertensão associa-se a proteinúria;


• Hipertensão arterial latente ou transitória, principalmente em multíparas.










1.4.1.2 Hipertensão Arterial Crônica


Medicações recomendadas:


• Metildopa: 750 mg a 2 g/dia, em 3 tomadas diárias;


• Nifedipina:início com 10 mg/dia e o máximo de 40 mg/dia, de 6/6 horas ou Retard 20 mg de 12/12 horas;


• Pindolol: início com 5 mg/dia e o máximo de 30 mg/dia, de 8/8 horas;


• Pode haver associação, respeitando as doses terapêuticas;


• Os inibidores ECA são contra-indicados;


Repouso relativo;


Dieta hipossódica e hiperproteica nos casos graves;Aumentar a ingestão de líquidos, principalmente água.


24


1.4.1.3 Doença Hipertensiva Específica da Gravidez






Pré-eclâmpsia


De acordo com o grau de comprometimento, a Pré-eclâmpsia é classificada em leve ou grave:






Pré-eclâmpsia Leve


Critérios para diagnóstico:


• Aumento de 30 mm Hg na PA Sistólica;• Aumento de 15 mm Hg na PA Diastólica;


• PA Sistólica entre 140 e 160 mm Hg;


• PA Diastólica entre 90 e 110 mm Hg;


• Edema;


• Peso: aumento > 500 g/semana;


• Proteinúria < 2 g/24 horas.


Avaliação da vitalidade fetal:


• Deve ser feita semanalmente;


• Registro dos movimentos fetais;• Cardiotocografia;


• Perfil biofísico fetal.


Conduta:


• Rastrear CIUR a cada 3 semanas;


• Medir AU;


• US;


• Dieta normosódica e hiperproteica;


• Repouso em decúbito lateral esquerdo pelo menos 4hs por dia;


• Com níveis tensionais ≥100 mm Hg avaliar internação e uso de hipotensores;


• Obs:Entre 26 e 34 semanas, usar corticóide quando indicada a interrupção da gestação.


Avaliação Materna:


• Hemograma, contagem de plaquetas, proteinúria 24 horas, função renal, ácido úrico, creatinina, uréia, urina I;


• Oftalmoscopia, LDH.


25


Pré-Eclâmpsia Grave


Critérios para diagnóstico:


PA sistólica ≥ 160 mm Hg ouPA diastólica ≥ 110 mm Hg associada a um ou mais dos seguintes fatores:


• Proteinúria ≥ 2 g/24hs;


• Oligúria: diurese ≤ 500 ml/24hs;


• Hemoconcentração;


• Edema pulmonar ou cianose;


• Sinais de eclâmpsia iminente: cefaléia, agitação psicomotora, distúrbios visuais, epigastralgia;


• Níveis séricos de creatinina > 1,2 mg/dl;• Sinais de encefalopatia hipertensiva;


• Sinais de insuficiência cardíaca congestiva;


• Dor epigástrica e/ou no hipocôndrio direito;


• Plaquetopenia < 100.000/ mm3;


• Aumento das enzimas TGO, TGP, DHL e de bilirrubinas;


• Presença de esquizócitos no esfregaço de sangue periférico – Anemia hemolítica micro-angiopática;...
tracking img